Primeira leva de vacina do Ebola deve chegar à Libéria nesta sexta-feira

By | 23/01/2015

O primeiro carregamento da vacina experimental para o Ebola produzida pela farmacêutica GlaxoSmithKline foi enviado à África Ocidental e deve chegar à Libéria no final desta sexta-feira (23), informou a empresa britânica.

Na quinta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que o surto de Ebola na África Ocidental, o pior já registrado, parece estar regredindo, mas alertou contra o relaxamento. A epidemia causou 21.724 casos em nove países desde que começou na Guiné há um ano, e cerca de 8.641 pessoas morreram.

A remessa inicial de 300 ampolas de vacina da GSK será a primeira a chegar a um dos três países africanos mais afetados pela doença, afirmou a farmacêutica em comunicado.

Ela será usada nos primeiros testes de larga escala da vacina nas próximas semanas, e os agentes de saúde que ajudam a cuidar de pacientes do Ebola estarão entre os primeiros a recebê-la.

Os pesquisadores esperam inscrever até 30 mil pessoas na fase de testes durante as próximas semanas, um terço dos quais devem receber a vacina da GSK.

O medicamento, co-desenvolvido pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos e pela Okairos, empresa de biotecnologia comprada pela GSK em 2013, está sendo usado atualmente em testes de segurança de fase I na Grã-Bretanha, nos EUA, na Suíça e no Mali, com cerca de 200 voluntários.    

"Os dados iniciais da fase I… são encorajadores e nos dão confiança no progresso nas próximas fases… que irão envolver a vacinação de milhares de voluntários, incluindo agentes de saúde atuando na linha de frente do combate", disse Moncef Slaoui, responsável do setor de Vacinas Globais da GSK.    

A vacina usa um tipo de vírus congelado de chimpanzé para fornecer material genético seguro da cepa de Ebola do Zaire, responsável pela nova epidemia no oeste africano.    

Dados mostram que a vacina é segura para humanos, incluindo a população da região africana mais atingida, e em uma variedade de dosagens, informou a GSK, que já escolheu a dose mais apropriada para o teste na Libéria.

Slaoui enfatizou que o remédio da GSK, assim como de outros candidatos, como os da colaboração entre a NewLink Genetics e a Merck, da Johnson & Johnson e da Bavarian Nordic, ainda encontra-se em desenvolvimento e não pode ser utilizado a até que se mostre seguro e eficaz.    

Comentando o avanço contra o surto e as vacinas em desenvolvimento, Jeremy Farrar, diretor da instituição de caridade britânica Wellcome Trust, disse: "Este certamente não é o momento de… reduzir os esforços. Não há dúvida de que precisamos de novas vacinas e terapias para esta epidemia e tentar evitar e reagir às inevitáveis epidemias futuras."

Internacional