Pesquisa revela proteína no café com efeitos similares aos da morfina

By | 24/01/2015
  •  

Café (Foto: Daniel Schwen/Wikimedia Commons)

Uma pesquisa desenvolvida pela Universidade de Brasília (UnB) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) revelou uma proteína no café com efeitos similares aos da morfina, informaram neste sábado (24/01) fontes científicas.

Em comunicado da Embrapa, a companhia afirmou que sua divisão de Recursos Genéticos e Biotecnologia e a UnB conseguiram "identificar fragmentos de proteína (péptidos) inédita no café com efeito similar ao da morfina, ou seja, apresenta atividade analgésica e tranqüilizante, com um diferencial positivo: maior tempo de duração desses efeitos em experimentos com camundongos".

As duas instituições apresentaram um pedido de patentes aos órgãos reguladores brasileiros para sete "péptidos opioides" identificados no estudo.

A caracterização dessas moléculas faz parte da tese de doutorado do estudante Felipe Vinecky, desenvolvida no Departamento de Biologia Molecular da UnB e na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, sob a coordenação do pesquisador Carlos Bloch Júnior. A identificação dos peptídeos se deu quando Felipe estava em busca de genes de café associados à melhoria da qualidade do produto.

Os estudos têm também o apoio do Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (CIRAD, por sua sigla em francês).

"Os peptídeos apresentam potencial biotecnológico para aplicação nas indústrias alimentícia e de nutracêuticos. As características funcionais similares a atividades ansiolíticas e de aumento da saciedade podem ser de interesse nutricional e animal, contribuindo para o manejo animal humanitário aplicável à pecuária de corte, especialmente para atenuar o estresse prévio ao abate", segundo o comunicado. 

Revista Época Negócios