Obama avaliará “todas as opções” para a Ucrânia se via diplomática fracassar

By | 09/02/2015
Barack Obama (Foto: Agência EFE)

O presidente de EUA, Barack Obama, afirmou nesta segunda-feira (09/02) que se a via diplomática para resolver a crise na Ucrânia "fracassar", avaliará "todas as opções" disponíveis, entre elas a entrega de armamento a Kiev, embora acrescentou que ainda não tomou uma decisão a respeito.

Obama disse que falou hoje sobre esse tema com a chanceler alemã, Angela Merkel, com quem ofereceu uma entrevista coletiva conjunta na Casa Branca, e que consultará outros países aliados antes de tomar uma decisão.

Ao insistir que a decisão não está tomada e sem fixar um prazo para isso, Obama declarou que sua equipe está considerando medidas "adicionais" para "ajudar a Ucrânia a reforçar suas defesas frente à agressão separatista".

O líder ressaltou que os rebeldes pró-Rússia na Ucrânia "violaram todos os compromissos" estabelecidos no ano passado para resolver a crise e acusou a Rússia de enviar "mais tanques" em apoio aos separatistas, mas insistiu várias vezes que os Estados Unidos seguem buscando e confiando em uma solução "diplomática".

+ ONU calcula 224 civis mortos em três semanas no leste da Ucrânia 

A Rússia "pagou um preço muito significativo por suas ações, primeiro na Crimeia e agora no leste da Ucrânia", enfatizou Obama. "E uma das coisas pelas quais estou muito encorajado é pelo grau que fomos capazes de manter a unidade entre Estados Unidos e Europa neste tema", acrescentou.

Por sua vez, Merkel reiterou que não apoia uma solução militar ao conflito na Ucrânia, mas especificou que sua aliança com os Estados Unidos se manterá "sólida" inclusive se o governo de Obama decidir entregar armamento a Kiev.

Enquanto isso, os ministros das Relações Exteriores da União Europeia (UE) aprovaram hoje novas sanções contra russos e ucranianos por desestabilizar a Ucrânia, mas acordaram adiar sua entrada em vigor, à espera do resultado da cúpula entre os líderes da Rússia, Ucrânia, França e Alemanha prevista para quarta-feira em Minsk.

Revista Época Negócios