Nível de cinco mananciais da Grande SP sobe, mas Cantareira cai

By | 23/01/2015
O Sistema Cantareira, em São Paulo: espelho da crise de 2014, terá lenta recuperação ao longo de 2015  (Foto: AE)

O nível de cinco dos seis principais reservatórios que abastecem a capital paulista e a Região Metropolitana de São Paulo registrou aumento no volume armazenado de água, segundo relatório da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) desta sexta-feira (23/01). No entanto, o maior deles, o Sistema Cantareira caiu.

O Cantareira, principal manancial de São Paulo, sofreu a sua 12ª queda consecutiva nesta sexta-feira e opera com 5,3% de sua capacidade, 0,1 ponto porcentual a menos do que no dia anterior, quando estava com 5,4%. A Sabesp já considera no cálculo duas cotas do volume morto, de 182,5 bilhões e de 105 bilhões de litros de água, acrescentadas em maio e outubro, respectivamente.
 

O volume de chuva sobre o Cantareira foi de apenas 0,6 mm nas últimas 24 horas. Já a pluviometria acumulada do mês é de 64,9 mm, o que representa apenas 32,4% do volume esperado para o período, caso a média histórica de janeiro, de 8,7 mm por dia, estivesse se repetindo. Em 2015, o nível dos seus reservatórios só se manteve estável por quatro dias – nos demais, houve queda.

Outros mananciais
O segundo maior manancial paulista, o Sistema Alto Tietê, registrou nesta sexta-feira o segundo aumento consecutivo do volume armazenado de água e opera com 10,3%, ante 10,1% do dia anterior. Sobre a região dos seus reservatórios, a pluviometria do dia registrada foi de 13,2 milímetros. Já o volume acumulado, a pouco mais de uma semana para o fim do mês, é de apenas de 54,9 mm: cerca de 29,4% da média histórica de janeiro.

Além do Alto Tietê, os Sistemas Guarapiranga, Alto Cotia, Rio Grande e Rio Claro subiram. O nível do Guarapiranga subiu 0,4 ponto porcentual e está com 38,5% de sua capacidade, contra 38,1 do dia anterior. Na região do reservatório, choveu somente 4,4 mm.

Por sua vez, o Alto Cotia subiu 0,6 ponto porcentual e passou de 27,9% para 28,5%. Já o Rio Grande subiu 0,4 ponto porcentual, de 69,1% para 70,3%, enquanto o Rio Claro teve o maior aumento proporcional, de 5,7 pontos porcentuais. O sistema estava com 24,9% e agora está com 30,6%.

Revista Época Negócios