MPF cobra medidas para coibir fraudes nos empréstimos consignados

By | 10/02/2015
 
As fraudes em todo o País que fazem, principalmente dos idosos, vítimas na ação de quadrilhas especializadas em contratar empréstimos consignados está na mira do Ministério Público Federal (MPF). A instituição cobrou do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão providências para coibir  a ação que acontece na forma de empréstimos consignados com entidades financeiras em nome de terceiros.
 
Apurações do MPF identificaram que a prática criminosa tem sido realizada por meio de documentos falsos e à revelia do servidor prejudicado, vítima de crime contra o seu patrimônio, sem a possibilidade de tomar nenhuma medida preventiva.
 
Em procedimento administrativo instaurado para apurar o caso, o procurador da República Alexandre Meireles estabeleceu o prazo de 60 dias para que a Secretaria de Gestão Pública (Segep) do Ministério do Planejamento informe ao MPF as medidas adotadas para sanar os danos.
 
Para o procurador Alexandre Meireles, terão de ser providenciadas medidas para conferir grau de confiabilidade minimamente adequado a quaisquer operações consignáveis em nome dos servidores públicos, incluindo empréstimos consignados.
 

Negócios