Minha Casa, Minha Vida terá pelo menos 350 mil contratações em 2015

By | 23/01/2015

Durante encontro com representantes de movimentos sociais ligados à habitação, o presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda afirmou que os próximos anos serão promissores para o setor no País. A reunião aconteceu nesta quinta-feira (22), em Brasília (DF).

Jorge Hereda lembrou que o Programa Habitacional Minha Casa, Minha Vida 3 terá três milhões de unidades, já anunciadas pela presidenta Dilma Rousseff, e, pelo menos, 350 mil serão contratadas em 2015

"É importante essa sinalização de continuidade. Temos a certeza de estar caminhado para três milhões no Minha Casa Minha Vida 3. Estamos nesta terceira edição sempre crescendo e melhorando a qualidade dos imóveis. É a certeza de que vamos ter mais quatro anos bons na área de habitação", afirmou o presidente Hereda, em entrevista após o encontro com as entidades.

Participantes

Representantes de cinco entidades de moradores – União Nacional por Moradia Popular (UNMP), Central de Movimentos Populares (CMP), Movimento Nacional e Luta por Moradia (MNLM) e da Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam) – pediram à Caixa apoio a reivindicações das organizações que atuam no Minha Casa Minha Vida.

As entidades reforçaram a importância de atendimento de pelo menos duas reivindicações: a garantia de cumprimento da meta de 50 mil novas unidades construídas por meio do Minha Casa Minha Vida – Entidades neste ano de 2015; e a inclusão dessa modalidade na nova faixa do programa, que está em discussão no governo. "É imprescindível chegar às 50 mil unidades este ano", disse Julieta Tolentino de Abraão, da CMP.

Contemplados

A criação de nova faixa de renda para o Minha Casa Minha Vida – lembraram os integrantes do movimento social – surgiu em debates entre as entidades que atuam no Minha Casa Minha Vida e a Caixa. Atualmente, o programa atende a famílias com renda até R$ 5 mil, divididas em três faixas – faixa 1 (R$ 1.600), faixa 2 (R$ 3.275) e faixa 3 (R$ 5 mil).

O presidente da Caixa elogiou o desempenho das entidades na área de habitação. "Assim como os outros agentes do Minha Casa Minha Vida, (as entidades) conseguiram produzir as unidades habitacionais que o país precisa", afirmou Jorge Hereda, lembrando que as organizações participaram da formatação do Minha Casa Minha Vida desde o início do programa.

"É uma relação antiga, respeitosa e profícua, e espero que a gente consiga manter por muito tempo porque \[os movimentos sociais\] são, inclusive, agentes que defendem a Caixa como um banco público, como instrumento do estado. Neste sentido, são aliados, parceiros da Caixa e têm contribuído muito para o crescimento do banco", disse Jorge Hereda.

Negócios