Levy é uma ilha de competência em um mar de mediocridade, diz Armínio Fraga a jornal

By | 26/01/2015
Armínio Fraga (Foto: Reprodução)

Armínio Fraga, escolhido para ser o ministro da Fazenda de Aécio Neves caso ele ganhasse a disputa eleitoral, diz acreditar que Joaquim Levy "largou bem, mas é uma ilha de competência num mar de mediocridade no governo Dilma". O ex-presidente do Banco Central afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que ainda está se "desintoxicando" do baixo nível do debate eleitoral e da produção de mentiras que diz ter enfrentado durante a campanha.

Para Fraga, Dilma Rousseff foi eleita mesmo diante do cenário atual porque, no que se refere ao ciclo econômico, "as coisas às vezes demoram a acontecer". As implicações de uma desaceleração drástica do crescimento, segundo ele, ainda não se fizeram sentir. "Estão a caminho. E quem vai sentir mais são os mais pobres. São sempre eles, sempre, sempre, sempre".

Ele classificou Levy como uma das "honrosas exceções" no governo Dilma. "Sozinho, Levy vai até um ponto. Pode evitar ou postergar um rebaixamento do crédito do país e até acalmar um pouco as expectativas".

Segundo Fraga, é bom arrumar as contas do país, mas só isso não basta. "O Levy já anunciou medidas para tapar metade do buraco que ele definiu como meta para o primeiro ano. Não quero entrar em detalhes, mas umas são melhores, outras são muito polêmicas", disse.

"Ele está focando mais do lado da receita do que do gasto. Em parte porque integra um governo que tem essa cabeça, que deixou essa herança aí. Num governo carregado de ideologia, de corrupção e de incompetência não há nada para cortar?", criticou. "É lógico que tem muita gordura para cortar e, se houvesse um corte de 10% em todas as instâncias, a população nem ia notar. Eu até reordenaria: incompetência em primeiro lugar e depois ideologia e corrupção. Por mais gigantesca que seja a corrupção, acho que os outros dois têm até peso maior, aliás, bem maior."

Revista Época Negócios