Governo prepara ampla reunião para negociar com centrais sindicais

By | 28/01/2015

Na defensiva com as manifestações das centrais sindicais, o governo federal prepara uma ampla reunião para negociar com os sindicalistas uma saída política para obter apoio às medidas de aperto nas concessões de benefícios sociais, como seguro-desemprego e abono salarial.

O encontro será na sede do Banco do Brasil, em São Paulo, na próxima terça-feira. Ao menos quatro ministros devem estar presentes. O governo quer sair da reunião com acordos pontuais e uma decisão de encaminhamento do pacote no Congresso.

Presidentes e diretores das centrais vão debater o tema com os ministros Nelson Barbosa (Planejamento), Carlos Gabas (Previdência), Manoel Dias (Trabalho) e Miguel Rossetto (Secretaria Geral da Presidência).

Sindicalistas protestam contra medidas do governo

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não participará diretamente das negociações. Mas o ministério já definiu compensar as alterações na previsão de redução das despesas em eventuais concessões aos sindicalistas com um contingenciamento maior de gastos do Orçamento deste ano.

O governo anunciou um pacote de aperto nos benefícios mais rigoroso do que inicialmente preparado pela equipe econômica de Guido Mantega, apurou o jornal O Estado de S. Paulo. Esse cálculo já antecipava alguma concessão aos representantes dos trabalhadores por pressão no Congresso.

Ao ceder de um nível mais alto, o governo ainda assim terminaria com um pacote de medidas mais duras do que as regras atuais. No pacote, o governo aumentou de 6 para 18 meses a carência para o primeiro pedido de seguro-desemprego, e de 6 para 12 meses no segundo.

As centrais querem reduzir o prazo da primeira solicitação a 12 meses e manter em seis meses no segundo pedido. O governo aceita negociar, mas apresentará uma proposta intermediária para o primeiro pedido, de 14 meses.

Revista Época Negócios