Egídio Serpa

By | 15/02/2015

Classe C consciente

Conscientes da gravidade da crise hídrica que assola o País e das consequências disso para seus bolsos, os consumidores da Classe C estão dispostos a reduzir o uso de água e energia. De acordo com pesquisa da Boa Vista SCPC, que entrevistou pessoas em todo o Brasil, 84% já tiraram o "pé do acelerador" e mudaram seus hábitos para economizar. Na segmentação por regiões, 87% dos entrevistados da classe C no Norte afirmaram que estão propensos a atenuar o consumo de água e energia elétrica para aliviar as contas no fim do mês. Já no Sudeste, Nordeste e Centro Oeste, o percentual registrado foi um pouco inferior: 86%. No Sul, a preocupação parece menor: 75%. A pesquisa diz ainda que a disposição para cortar o consumo é praticamente idêntica entre homens (85%) e mulheres (82%).

A Coreia do Sul foi eleita pela Bloomberg o emergente mais promissor do mundo. Enquanto isso, o Brasil ficou com a 16ª colocação, superado por Catar, Turquia, Colômbia e outros.

Supermercados

Já quando o assunto é compras em supermercados, a Classe C afirma ser mais difícil controlar os gastos. 58% relatam que vão com muita frequência a esse tipo de estabelecimento. Os 42% restantes vão apenas uma vez por mês. Em resumo, o levantamento aponta que a Classe C gasta 62% de sua renda apenas com alimentos.

Controle

Outro dado da Boavista gera otimismo. Conforme a pesquisa, 66% dos pertencentes à nova classe média conseguem manter suas contas sob controle. É possível concluir que, aos poucos, essa parcela da população vai aprendendo a lidar bem com rendimento, crédito e endividamento, evitando a inadimplência.

Garantia-Safra

Mais de37 mil agricultores familiares de 39 municípios dos estados de Ceará, Alagoas, Paraíba e Pernambuco receberão o pagamento do Garantia-Safra, segundo informa o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), após publicação no Diário Oficial da União. Os pagamentos são referentes à safra 2013/2014. O benefício é de extrema importância para os pequenos agricultores nordestinos que veem a produtividade minguada por conta da forte seca.

Shoppings

A atividade comercial nos shoppings brasileiros ficou estável no mês de janeiro em comparação com igual período do ano passado, conforme dados divulgados pelo Ibope Inteligência. Mas a região Nordeste se descolou um pouco e apresentou o segundo melhor resultado, com leve crescimento de 0,7%, perdendo somente para a Centro Oeste. Ainda segundo a pesquisa, no Natal de 2014, o fluxo de pessoas em shoppings registrou avanço de 1,5%.

Energia alternativa

Já passa da hora de o governo entender a crise energética e começar a planejar o garantia do fornecimento para o futuro, investindo, sobretudo, em fontes alternativas de geração. Os incentivos à matriz eólica, a qual dispõe de imenso potencial, são irrisórios. É cada vez mais árduo manter o País abastecido apenas valendo-se de fontes tradicionais.

Ah!

Mais chuva

A expectativa de maior volume de chuvas na próxima semana e de menor consumo de energia neste mês levaram o ONS a projetar um cenário menos preocupante no curto prazo. A reguladora elevou a previsão de energia natural afluente no Sudeste/Centro-Oeste neste mês de 51% para 65%. No Nordeste, a projeção cresceu de 25% para 34%.

Oh!

Longe do Ceará

Enquanto o Ceará segue com dificuldade de atrair empreendimentos, Pernambuco vai robustecendo seu polo. O mais novo acordo naquelas terras é para uma unidade de distribuição de veículos da Toyota. Aliás, quando o assunto é indústria automobilística, o Ceará está anos-luz em desvantagem.

"O quadro técnico da empresa é o melhor do mundo neste setor. São pessoas extremamente engajadas. A Petrobras não vai parar.

Aldemir Bendine, presidente da Petrobras, depositando esperanças na retomada da empresa e elogiando o quadro de funcionários.

Livre Mercado 

O lucro da Grendene cresceu 13% em 2014. A empresa de calçados marcou lucro líquido recorde de R$ 490 milhões. Em 2015, apesar do momento ruim da economia nacional, a empresa está otimista. Iniciou bem janeiro, já superando as expectativas Também não tem crise no setor de cartões de crédito. Segundo previsão da Abecs, associação que representa o ramo, as movimentações via plástico devem crescer até 13% neste ano. Caso se confirme a expectativa, pela primeira vez, será ultrapassada a marca de R$ 1 trilhão movimentado em cartão de crédito e débito. Em contrapartida, as empresas varejistas de moda, no geral, devem apresentar expansão tímida em 2015. Primeiros dados do IBGE mostram estagnação A coluna foi redigida por Victor Ximenes

Negócios