Unimed Fortaleza: receita operacional sobe R$ 147 mi

By | 27/02/2015

Em matéria publicada na edição de ontem (26/02/2015) acerca do desempenho da Unimed Fortaleza em 2014, o título referiu-se ao lucro da cooperativa médica incorretamente. O título deveria ser: "Receita operacional líquida da Unimed Fortaleza cresce R$ 147 milhões". O dado condiz com o que está informado no início do texto veiculado, no qual fala-se da divulgação da "receita operacional líquida – expurgados os tributos – de R$ 1,295 bilhão, em 2014, montante R$ 147 milhões maior, ou 12,83% superior, à receita operacional líquida de R$ 1,148 bilhão registrada em 2013" pela cooperativa de médicos da Capital.

Com foco na rede própria, localizada em Fortaleza, o médico e diretor Administrativo-Financeiro da Unimed Fortaleza, Marcos Aragão, destacou a intenção da cooperativa de otimizar a carteira e investir em qualidade como diferencial de atendimento dos planos, ao destacar o investimento de R$ 13 milhões previsto para 2015.

Custos e sobras

Os custos assistenciais, referentes a cooperados, hospitais, laboratórios, clínicas, bancos de sangue e intercâmbio, também conforme informado na matéria de ontem, tiveram um incremento de 13,50%, saindo de R$ 1,028 bilhão em 2013, para R$ 1,167 bilhão no ano passado.

Já sobre o chamado montante das sobras – diferença entre a soma dos custos administrativos (R$ 100 milhões) e das despesas hospitalares (R$ 1,167 bilhão), menos o apurado ao longo do ano passado -, a Unimed Fortaleza informou aos cooperados via e-mail e mensagem de celular (SMS) que só poderá apresentar o número após a Assembleia Geral Ordinária, que será realizada em 31 de março próximo.

Conforme disse constar no portal da transparência à disposição dos cooperados, a cooperativa assinalou ainda a entrega de 30 novos leitos para internação, previstos para o Hospital Regional da Unimed (HRU) até o fim deste ano. Dentre os R$ 13 milhões de investimentos, R$ 6 milhões, de acordo com o diretor Administrativo-Financeiro, são destinados às obras no 6º e 7º andares do HRU.

Negócios