SindusCon-SP: empresas ameaçam interromper obras do Minha Casa Minha Vida

By | 19/06/2015

Empresas contratadas para realizar obras da faixa 1 da segunda fase do programa federal Minha Casa Minha Vida (MCMV) ameaçaram interromper as obras em todo o País se o governo não quitar pagamentos atrasados que já superam o valor de R$ 1,2 bilhão, segundo informações do Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo (SindusCon-SP). A faixa 1 atende os beneficiários com renda de até R$ 1,6 mil.

O último pagamento às companhias foi realizado no dia 8 de maio, de acordo com sindicato. "O governo está fazendo pedalada com capital privado", afirma o vice-presidente de Habitação Popular do SindusCon-SP, Ronaldo Cury, em nota.

Dos R$ 17,5 bilhões orçados para o MCMV, apenas R$ 11,5 bilhões foram aprovados, de acordo com o SindusCon-SP. O setor propõe que o governo faça um empréstimo do FGTS para o Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) para quitar os repasses atrasados. O argumento é que o programa MCMV, por fazer parte do PAC e ser considerado investimento, poderia receber esse recurso.

Outras demandas do setor são a reprogramação dos próximos pagamentos e a criação de uma linha de crédito barata que aceite a nota fiscal de obras como garantia. "As empresas precisam de previsibilidade sob o risco de quebradeira. O MCMV não vai sair enquanto não se definir isso", reforça Cury. Ele ainda alerta para a possibilidade de o Minha Casa Minha Vida 3 não vingar, em função da baixa taxa de retorno e do histórico recente de atrasos da União.

Revista Época Negócios