Serviços ficaram 0,20% mais caros

By | 11/06/2015

Brasília. Os preços do setor de serviços subiram 0,20% no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), menos do que a alta de 0,72% verificada em abril, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ontem. Em 12 meses, contudo, os serviços continuam subindo. A alta média chegou a 8,22% até maio, e a maioria dos itens acumula aumentos superiores a 8% no período.

> Inflação resiste; 2ª maior do País em Fortaleza

> Preços para a baixa renda têm avanço de 1,33%

> Maracujá, bilhete aéreo, peixes e hotéis puxam baixa

"Com as ações que estão sendo tomadas, era para que os serviços estivessem cedendo um mais. Mas há outras pressões também, pode ser que (o efeito de desaceleração da) renda ainda não tenha atingido o setor de serviços", ponderou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE.

"Brasil viveu um momento de renda subindo mais forte. Agora não está assim, mas não vemos isso atingindo serviços. Além disso, tem os preços de que estamos falando, um custo maior com energia, com taxa de água e esgoto, com aluguel. Não sabemos até quando o setor de serviços vai conseguir cobrir esses custos ou se vai mostrar algum arrefecimento", acrescentou.

Ainda que se mantenham em patamar elevado, os serviços acumulam no ano um aumento menor do que a inflação média. Isso porque "a inflação em 12 meses é uma inflação de administrados, sobretudo energia elétrica", disse a coordenadora. Em maio, os preços de administrados subiram 1,23%, contra alta de 0,78% no IPCA de abril.

Negócios