SDE é ‘porta de entrada’ para investimentos

By | 19/06/2015

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) reforça seu posicionamento na política de atração de investimento no Ceará. Atuando como a "porta de entrada" para o empresário que tem a intenção de fazer aportes de pequeno, médio ou grande porte no Estado, a Pasta vem elaborando ações para atrair interesse da iniciativa privada de maneira multissetorial, relacionando-se com diversas secretarias da gestão estadual. "O investidor chega no Estado e ele tem que procurar a SDE", destaca a titular da Pasta, Nicolle Barbosa.

> Codece será reativada

A SDE surgiu em substituição ao Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cede), que havia sido criado pelo então governador Cid Gomes. As estratégias e planos elaborados pela secretaria agora são executados pela Companhia de Desenvolvimento do Ceará (Codece), que, revigorada, atuará no apoio a pequenos negócios; da Agência de Desenvolvimento do Ceará (Adece), com os médios e grandes, e da Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE). Além disso, a secretaria também pretende deslocar o foco das atuais diretrizes de receptividade do setor privado, direcionado principalmente às indústrias. "Nós vamos trazer muito o comércio e os serviços mais para perto", diz.

Grupos de trabalho

Dentre as ações e estratégias iniciais da Pasta, estão a formação de grupos de trabalho e ação temáticos. Vale destacar o grupo das águas, que pretende viabilizar a instalação de uma usina de dessalinização para abastecer o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp). O empreendimento terá vazão de três metros cúbicos por segundo de água.

"Nós já temos umas três propostas de empresas. São duas empresas espanholas e uma de Israel. Vamos ver quem vai trazer a melhor proposta. Isso é para logo. Acho que em um ano e oito meses, uma usina dessas, entrando em construção, ela estará pronta", defende Nicolle. Segundo ela, o desenvolvimento do setor de energias renováveis também será uma das prioridades da SDE nos próximo anos.

Adesão ao Confaz

Um dos grupos de trabalho e ação, aliás, já se encontra voltado para o desenvolvimento de energias renováveis no Ceará, conforme explica Nicolle Barbosa. "Hoje, nós temos R$ 4 bilhões em investimentos no Estado do Ceará (em energias renováveis). Se o ambiente de negócios fosse propício, nós teríamos R$ 18 bilhões", afirma a secretária.

Ainda de acordo com ela, o governador Camilo Santana, inclusive, já afirmou que irá aderir à permissão do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) de isentar o micro e o mini gerador de energia solar do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS). "O governador também vai ter uma pauta com o ministro de Minas e Energia (Eduardo Braga) para tratar da expansão das linhas de transmissão no Ceará. O setor de energia é uma prioridade absoluta", comenta.

Sistema interligado

Outra estratégia da SDE será a criação de um ambiente virtual para dar mais comodidade ao investidor. "É um espaço para além do físico. Esse sistema de desenvolvimento vai ser todo interligado com o governo, Fiec, Fecomércio, CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas) de Fortaleza e com quem quiser se interligar. Então, todas as informações vão chegar para esse sistema, com vários filtros para que o investidor, quando chegar ao Ceará, saiba exatamente quais são as oportunidades", defende.

Negócios