Sabesp estuda aumento de tarifa para manter equilíbrio financeiro

By | 26/02/2015
Jerson Kelman, presidente da Sabesp (Foto: Sabesp)

O presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Jerson Kelman, admitiu nesta quarta-feira (25/02) que a empresa estuda aumentar a tarifa de água. “Nós estamos vendendo muito menos água do que a população gostaria de consumir. Não há a matéria-prima. Se fosse mantida essa situação dificultaria a situação da Sabesp de fazer obras emergenciais para enfrentar o período seco que vai de abril até outubro”.

Kelman prestou esclarecimentos na comissão parlamentar de inquérito (CPI) da Câmara Municipal de São Paulo que investiga os problemas de abastecimento na capital paulista.

Ele destacou que as contas da estatal foram ainda mais afetadas com a crise por causa do bônus concedido aos consumidores que diminuíram o gasto de água. Por isso, a Sabesp entrou em contato com a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) para avaliar a possibilidade de um aumento das tarifas além do reajuste anual de reposição da inflação.

“Não interessa a ninguém uma Sabesp que esteja, sob o ponto de vista econômico e financeiro, desequilibrada. Se ela ficar desequilibrada ela não presta o serviço que precisa à população”, ressaltou na audiência. De acordo com Kelman, como a Sabesp é uma empresa de capital aberto, a Comissão de Valores Mobiliários também foi informada das negociações sobre a tarifa.

Sabesp pode ser forçada a fazer racionamento, diz presidente

O presidente da Sabesp disse que provavelmente a Grande São Paulo não enfrentará um racionamento escalonado, alternando dias com e sem abastecimento. Atualmente, os consumidores atendidos pelo Sistema Cantareira, que abastece cerca de 6 milhões de pessoas na região metropolitana, já enfrentam um racionamento com a redução da pressão, interrompendo o abastecimento em parte do dia.

“Não está afastada a hipótese de rodízio, embora os cálculos indiquem que é um evento de baixa probabilidade”, destacou o presidente da Sabesp. Segundo ele, a avaliação foi feita com base em cálculos que levam em consideração um cenário “pessimista” de chuvas durante o resto do ano.

“Estou contando com a má vontade de São Pedro”, dise. Ele ponderou, entretanto, que outros fatores, como atrasos nas obras emergenciais de abastecimento poderiam agravar a situação da Grande São Paulo.

O diretor metropolitano da companhia, Paulo Massato foi mais cauteloso. De acordo com ele, ainda não é possível saber se há necessidade de implementar um racionamento drástico na região. “Nós só poderemos dar as previsões mais seguras no final do período de chuvas”, disse ao explicar porque preferia fazer uma previsão no final de março.

Massato também defendeu os contratos de demanda firme, modalidade onde grandes consumidores, como empresas e estabelecimentos comerciais, ganham desconto ao se comprometerem com um nível elevado de gasto de água. Segundo o diretor, esse tipo de contrato não é um incentivo ao consumo, mas uma forma de garantir o modelo de negócios da empresa.

Ele destacou que as tarifas cobradas das empresas são mais de três vezes maiores do que as dos clientes residenciais. “A tarifa residencial é subsidiada pelos contratos de demanda firme”, acrescentou ao comentar a importância dos 500 contratos do tipo para a companhia.

Revista Época Negócios