Ricardo Nunes assume a Máquina de Vendas

By | 09/01/2016
Ricardo Nunes (Foto: Época NEGÓCIOS)

O fundador da Ricardo Eletro, Ricardo Nunes, assumirá o comando da Máquina de Vendas. A empresa é formada por cinco redes: Ricardo Eletro, Lojas Insinuante, Lojas Salfer, City Lar e Eletro Shopping, cada uma delas com forte atuação regional. Desde agosto, a varejista era liderada por Enéas Pestana, que agora integrará o conselho consultivo.

Em sua carreira, Pestana passou por companhias como Carrefour e Pão de Açúcar, onde esteve à frente da renegociação da compra da Casas Bahia com a família Klein. No final de 2014, abriu sua própria consultoria. Em 2015, foi contratado pela Máquina de Vendas para fazer um diagnóstico e um plano de ação. Desde a fusão, a empresa tinha dificuldade em integrar áreas como logística e comercial e houve uma disputa entre os sócios para definir o acordo societário.

Entregue o combinado, Pestana foi convidado a participar da primeira parte de implementação de mudanças. Ele confessa que não era exatamente o plano profissional que tinha para aquele momento, mas acabou aceitando o pedido dos sócios.

Ao anunciar o sucessor, o executivo disse que encontrou, em agosto, uma companhia que era a junção de cinco empresas regionais bem-sucedidas. Uma junção, mas não uma união. "Estavam separadas, sem aproveitamento da sinergia comercial. Elas tinham o ônus sem o bônus da fusão", diz. Essa sinergia à qual ele se refere, e que agora Nunes terá o papel de turbinar, tem a ver com um poder maior de negociação na aquisição dos produtos, ganhos logísticos com a unificação dos centros de distribuição e ganhos fiscais com a integração do CNPJ. 

Enéas Pestana (Foto: Arthur Nobre)

"O Enéas deixou a casa pronta para mim", afirmou Nunes, de 45 anos, escolhido por unanimidade pelo conselho para assumir a função. Ele diz que, num momento de crise como o que passa o Brasil, "não podemos perder um dia sequer de vendas". Segundo o fundador da Ricardo Eletro, o plano elaborado por Enéas e sua equipe continuará sendo seguido.

Nos últimos seis meses, Pestana conseguiu executar partes importantes de sua estratégia, como a adoção dos padrões de governança corporativa. Todos os sócios saíram da operação – com exceção de Nunes – e foram para o conselho de administração. Não há mais membros das famílias no corpo executivo. Além disso, ele implantou um novo sistema de avaliação de performance e meritocracia, trouxe novos executivos e fez o controle de despesas e custos. "Encaminhadas essas mudanças, eu me afasto, migro para o conselho e retomo meus projetos e minha vida", diz o executivo. Dez pessoas de sua consultoria continuarão acompanhando a Máquina de Vendas.

Revista Época Negócios