Ranking coloca Brasil como o país mais caro para comprar champagne

By | 20/06/2015
Veuve Clicquot (Foto: Divulgação)

O famoso índice Big Mac, criado pela revista The Economist em 1986, se tornou uma referência para avaliar a taxa de câmbio pelo mundo. O Vivino, aplicativo de avaliação de vinhos, se inspirou nele para criar o índice Veuve Clicquot. A ideia é medir quanto custa comprar uma garrafa de uma das marcas de champagne mais conhecidas do mundo em diferentes países.

O Brasil aparece como o país mais caro para se comprar uma garrafa de Veuve Clicquot Champagne Brut Carte Jaune 750 ml (o rótulo escolhido para a pesquisa). É necessário desembolsar, em média, US$ 80 dólares. O preço é bem acima do segundo colocado, a Rússia, onde é necessário gastar cerca de US$ 70,20 por uma garrafa. Já os países onde é mais barato comprar um Veuve Clicquot são Itália (US$ 36,67), França e Bélgica (empatados com US$ 39,55).

Também dá para visualizar a diferença assim: se US$ 500 compram 13 garrafas na Itália, no Brasil o mesmo valor compra apenas seis.

Outro dado interessante da pesquisa é quantas horas uma pessoa em diferentes países precisa trabalhar para comprar uma garrafa. Usando dados do relatório CIO Wealth Management, a pesquisa considerou a média do salário de 15 profissões em cada país.

Nesse parânmetro, o Rio de Janeiro ficou em segundo lugar, atrás apenas da Cidade do México. Um carioca precisa trabalhar cerca de 11 horas e 30 minutos para conseguir comprar uma garrafa. Em Zurique, o tempo não chega a uma hora e meia (confira a tabela abaixo).

"É um champagne clássico, então está disponível em muitos lugares e provavelmente vai continuar assim. A marca é antiga e respeitada", diz a nota oficial do aplicativo para justificar a escolha da marca. Além disso, a garrafa costuma ficar entre as 25 mais acessadas do Vivino. Para chegar aos números, foram usados dados dos próprios usuários, que, ao avaliar um vinho, costumam registrar quanto pagaram por ele. 

Índice do aplicativo Vivino (Foto: Divulgação)

 

 

Revista Época Negócios