Prévia da inflação oficial tem maior taxa desde 2003

By | 24/02/2015
Juros Selic Real Crédito Inflação (Foto: Reprodução Internet)

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), uma prévia da inflação oficial do governo, fechou o mês de fevereiro com variação de 1,33%, a maior alta desde fevereiro de 2003, quando atingiu 2,19%. Segundo dados divulgados hoje (24), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA-15 ficou 0,44 ponto percentual acima da taxa de janeiro (0,89%).

O IPCA-15 tem por objetivo medir a inflação de um conjunto de produtos e serviços comercializados no varejo, referentes ao consumo pessoal das famílias, cujo rendimento varia entre um e 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte de rendimentos.

Com a alta de fevereiro, o IPCA-15 fechou o ano com inflação acumulada de 2,33%, com a alta acumulada nos últimos 12 meses (a taxa anualizada) fechando em 7,36%. O IPCA-15 tem a mesma metodologia do IPCA, abrange as mesmas regiões envolvidas na pesquisa e a mesma faixa de renda, mas tem período de coleta diferenciada – última metade do mês anterior e a primeira do mês de referência.

A alta de preços já era esperada, inclusive pelo IBGE, uma vez que a inflação de fevereiro reflete a alta de preços de diversos preços administrados pelo governo, como mensalidades escolares, combustíveis e tarifas de energia. 

+ Inflação da baixa renda avança 2% em janeiro, aponta FGV

Conta de luz
A conta de luz foi o item que mais pesou sobre a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) de fevereiro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A tarifa de energia elétrica subiu 7,70%, o que resultou numa contribuição de 0,23 ponto porcentual para a taxa de 1,33% registrada pelo IPCA-15 no mês.

Houve reajuste nas tarifas de algumas regiões e elevação de impostos, mas o item também refletiu a entrada em vigor do Sistema de Bandeiras Tarifárias. O modelo de cobrança, que passou a vigorar a partir de 1º de janeiro, repassa ao consumidor o custo maior com o acionamento de usinas térmicas.

Como resultado, as despesas com Habitação aumentaram 2,17% em fevereiro, ante alta de 1,23% em janeiro.Ainda no grupo Habitação, houve pressões também dos gastos maiores com condomínio (0,97%), mão de obra para pequenos reparos (0,91%), gás de botijão (0,89%), taxa de água e esgoto (0,68%) e aluguel residencial (0,65%).

+ Inflação de janeiro apurada pelo IBGE é a maior desde fevereiro de 2003 

Revista Época Negócios