Presidente do Uruguai teme golpe militar na Venezuela

By | 27/02/2015

O presidente do Uruguai, José Mujica, teme um golpe de Estado de militares de esquerda na Venezuela, país que vive uma crise política interna em meio a graves problemas econômicos.

Na terça-feira (24), um estudante de 14 anos foi morto durante um protesto contra o governo do presidente Nicolás Maduro.

Na semana passada, o prefeito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma, foi preso acusado de conspirar contra o governo.

"O problema que a Venezuela pode ter é nos nos vermos perante um golpe de Estado de militares da esquerda, e com isso a defesa democrática vai para o inferno. Seria um erro gravíssimo que desrespeitassem a Constituição", disse o presidente em trecho antecipado de uma entrevista "El País" do Uruguai. A entrevista será publicada na íntegra no sábado (28).

Para Mujica, "há maneiras muito inteligentes de desestabilizar um governo". Ele, porém, esclareceu: "Não quero com isso dizer que sei o que se passa na Venezuela. Não sei o que está acontecendo na Venezuela; eles têm crise de desabastecimento e descontentamento da população, disso não tenho dúvidas".

O líder uruguaio fez duas distinções em relação à oposição venezuelana. Segundo ele, há os setores que se alinham por trás de Henrique Capriles, governador do Estado de Miranda que perdeu as duas últimas eleições presidenciais para o chavismo, e "os que querem um golpe de Estado".

"Parece que Capriles tem uma posição muito mais cuidadosa para não gerar violência", disse. Segundo sua avaliação, esse líder opositor e seus aliados buscam uma "saída institucional" para a crise venezuelana por meio de um chamado às eleições.

Mas Mujica também reconhece que há pessoas que querem a saída de Maduro por meio de um golpe de Estado.

"Faço votos e farei tudo o que puder e que estiver ao meu alcance para que as questões se resolvam dentro da Constituição. Eles têm uma Constituição libertária feita por [Hugo] Chávez [morto em 2012] em que se prevê um plebiscito revogatório no meio do processo", relembrou Mujica.

No domingo (1º), Maduro deve participar no Uruguai da posse do presidente eleito Tabaré Vázquez, sucessor de Mujica.

Internacional