Preços para a baixa renda têm avanço de 1,33%

By | 11/06/2015

Fortaleza/Rio. Semelhante ao que aconteceu no IPCA, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) – responsável por medir a inflação exclusivamente para as famílias com renda de até cinco salários mínimos -, apontou a segunda maior variação do País em maio para Fortaleza. No período, a alta nos preços operados para este público chegou a 1,33% – abaixo novamente de Recife (1,49%).

> Inflação resiste; 2ª maior do País em Fortaleza

> Maracujá, bilhete aéreo, peixes e hotéis puxam baixa

> Serviços ficaram 0,20% mais caros

No ano, o INPC na capital cearense acumula um crescimento de 5,56 (7º entre as regiões pesquisadas e abaixo da variação nacional, de 5,99%). Já nos últimos 12 meses, o estudo do IBGE registra uma expansão de 7,84% para Fortaleza.

Na dianteira da lista de produtos responsáveis pelo aumento está a cebola (110,95%), seguida pela tomate (104,91%), da cenoura (55,81%), feijão-carioca (35,43%) e também da energia elétrica (34,79%).

Do outro lado da lista, em movimento oposto – mas sem efeito efetivo no índice geral -, conforme informou na manhã de ontem o IBGE estiveram maracujá (-17,45%), mosquiteiro (-14,06%), CD e DVD (-10,53%), aparelho telefônico (-7,66%) e máquina fotográfica (-6,94).

Aumento nacional

Já no âmbito nacional, o INPC ficou em 0,99% em maio deste ano, de acordo com o IBGE. A taxa é superior à observada pelo próprio INPC em abril (0,71%). O INPC também superou a taxa registrada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – a inflação oficial -, que ficou em 0,74% em maio.

Ao acumular 5,99% de aumento de preços no ano e 8,76% em 12 meses, o INPC também superou o IPCA, que acumula 5,34% de inflação no ano e 8,47% no período de 12 meses, segundo o IBGE.

De acordo com o INPC, os alimentos tiveram inflação de 1,48% em maio, enquanto os não alimentícios tiveram alta de preços de 0,78%. O INPC é usado pelo IBGE para reajustar o valor real do rendimento do trabalhador, em suas pesquisas. Enquanto o IPCA calcula a inflação para famílias com renda entre um e 40 salários mínimos, o INPC foca nos principais gastos daquelas que têm renda até cinco salários mínimos.

Negócios