Preços administrados sobem 10,40%, segundo BC

By | 24/02/2015

Brasília. Os preços administrados seguem em trajetória de alta, de acordo com as expectativas apresentadas no Relatório de Mercado Focus de ontem (23). A mediana das previsões para esse conjunto de itens subiu de 10,00% na semana passada para 10,40% agora. Um mês antes, a mediana estava em 8,70%. A estimativa central do mercado continua acima da projeção mais recente feita pelo Banco Central, de alta de 9,30% para esses preços. Esta foi a 11ª semana consecutiva em que houve revisão das projeções para cima.

Já para 2016, a expectativa é a de que a pressão para a inflação desse conjunto de itens seja menor. A mediana das estimativas continuou em 5,50% de uma semana para outra. Há um mês, a Focus apontava uma taxa de 5,80% para os preços administrados no ano que vem. A projeção do mercado para o próximo ano segue também mais pessimista que a do BC, que na última ata do Copom projetou inflação de administrados em 5,1%.

Sobre os preços administrados de 2015, o BC explicou que a sua projeção em nível elevado considera hipótese de elevação de 8% no preço da gasolina, em grande parte, reflexo de incidência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e da PIS/Cofins; de 0,6% nas tarifas de telefonia fixa; e de 27,6% nos preços da energia elétrica, devido ao repasse às tarifas do custo de operações de financiamento, contratadas em 2014, da Conta de Desenvolvimento Energético. As informações fazem parte do Relatório Trimestral de Inflação de dezembro.

Inflação maior

Na semana de poucos dias úteis por causa do feriado de Carnaval, também foram mais tênues as mudanças de projeções do Relatório de Mercado Focus. Mesmo assim, elas ocorreram. Segundo o documento, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerrará o ano em 7,33%, e não mais em 7,27% como aguardava o mercado no levantamento anterior. Há um mês, a mediana das estimativas para o indicador estava em 6,99%. Esta é a 8ª semana consecutiva em que há alta das previsões para o IPCA de 2015.

A expectativa de que o BC não entregará, portanto, a inflação de 2015 sem estourar o teto da meta de 6,50% também pode ser vista no Top 5 de médio prazo, que é o grupo dos economistas que mais acertam as previsões. Para esses profissionais, a mediana para o IPCA deste ano segue acima da banda superior da meta, mas permaneceu em 7,12% como na semana passada. Quatro semanas atrás, estava em 6,86%.

Para o final de 2016, a mediana das projeções para o IPCA foi mantida em 5,60% pela quarta semana seguida. No Top 5, a projeção para a inflação no final do ano que vem também ficou inalterada em 5,65% – um mês antes estava em 5,60%.

Negócios