Pontífice apoia novo tribunal

By | 11/06/2015

Cidade do Vaticano. O papa Francisco aprovou, ontem, um tribunal inédito no Vaticano para julgar bispos acusados de acobertar ou não impedir abuso sexual de menores, mas um grupo de vítimas considerou a medida insuficiente e tardia.

Em um comunicado, o Vaticano informou que o tribunal será subordinado à Congregação para a Doutrina da Fé, braço doutrinário do Vaticano, "para julgar bispos com relação a crimes de abuso de cargo quando relacionado ao abuso de menores".

Grupos de vítimas há anos cobram do Vaticano o estabelecimento de procedimentos claros para responsabilizar os bispos por abusos ocorridos em suas dioceses, mesmo quando não estão diretamente envolvidos.

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, disse a repórteres que os bispos também poderão ser julgados se falharem em adotar medidas para impedir o abuso de menores.

As denúncias contra os bispos inicialmente seriam investigadas por um dos três departamentos do Vaticano antes de ser levada a julgamento pelo tribunal doutrinário.

O grupo sediado nos EUA Rede de Sobreviventes dos Abusados por Padres (Snap, na sigla em inglês) disse que o papa deveria ter ido além. "Poderia ter demitido dezenas de bispos cúmplices. Ele, no entanto, não demitiu ninguém", disse o Snap.

Internacional