PF instaura inquérito e investiga homicídio após explosão em navio afretado pela Petrobras

By | 13/02/2015
Polícia Federal em Curitiba (Foto: Agência Brasil)

A Polícia Federal instaurou inquérito para apurar as circunstâncias do acidente no navio-plataforma Cidade de São Mateus, na Bacia do Espírito Santo, ocorrido na quarta-feira (11/02). As condutas investigadas inicialmente são homicídio e incêndio qualificado (por ter ocorrido em uma embarcação). Uma equipe de peritos fará nesta sexta-feira um sobrevoo para identificar os estragos e o ponto de onde começarão os trabalhos da PF.

A explosão na casa de bombas do navio-plataforma, operado pela BW Offshore e afretado pela Petrobras, deixou cinco pessoas mortas (quatro brasileiros e um indiano) e 26 feridos, sete deles ainda internados em hospitais da Grande Vitória. Quatro tripulantes seguem desaparecidos, segundo o último balanço oficial divulgado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Nenhuma das vítimas ou dos desaparecidos teve o nome divulgado até o momento.

Hoje pela manhã, uma equipe de especialistas da BW retornou à unidade para avaliar se as condições são suficientemente seguras para permitir a continuidade dos esforços de busca e resgate.

O prazo inicial para a conclusão do inquérito é de 30 dias, segundo a PF. O órgão, porém, não divulgou mais detalhes nem dará entrevistas, "a fim de não atrapalhar ou prejudicar eventuais levantamentos e perícias que deverão ser realizadas". Ao longo das investigações, outras condutas poderão ser apuradas caso haja indícios de outras irregularidades, informou o órgão.
O FPSO Cidade de São Mateus, que opera nos campos de Camarupim e Camarupim Norte, a cerca de 120 quilômetros da costa do Espírito Santo, sofreu uma explosão às 12h50 de quarta-feira (11). As causas ainda estão sendo investigadas, mas sindicalistas falam em vazamento de gás.

Havia 74 pessoas a bordo no momento do acidente. Após o ocorrido, a produção foi interrompida. O navio está conectado normalmente aos poços, mas a unidade foi desativada. A Federação Única dos Petroleiros (FUP) iniciou hoje uma paralisação nacional de 24 horas entre trabalhadores de plataformas de petróleo reivindicando maior segurança. Os trabalhadores suspenderam os serviços e plataformas, refinarias e poços terrestres.

Revista Época Negócios