Pesquisas da UFC são incluídas em projeto mundial para telefonia móvel 5G

By | 12/02/2015

O Grupo de Pesquisa em Telecomunicações sem Fio (Gtel) da UFC teve artigo científico incluído no projeto METIS 2020 (Mobile and Wireless Communications Enablers for the Twenty-twenty Information Society), rede mundial integrada por universidades, operadoras móveis e as maiores multinacionais do setor, como Ericsson, Huawei e Nokia, que busca a evolução tecnológica para telefonia móvel de quinta geração (5G).

O artigo intitulado "Performance analysis of network assisted two-hop D2D communications", resumo da pesquisa do Prof. Tarcisio Ferreira Maciel e do estudante de mestrado em Engenharia de Teleinformática José Mairton Barros da Silva Jr., ambos do Centro de Tecnologia da UFC, foi listado entre as contribuições técnicas mais relevantes para a evolução tecnológica no setor.

O trabalho desenvolvido na UFC apresenta uma tecnologia conhecida como "D2D", do inglês device-to-device, comunicações diretas entre dispositivos móveis. Essa tecnologia permite que o usuário fale, envie fotos e mensagens a outro telefone móvel sem que o tráfego de dados tenha de ser roteado por uma torre de transmissão.

Além disso, o modo de utilização do celular pelo usuário não é alterado, pois os aplicativos e sistemas operacionais são adaptados ao D2D. O principal resultado da tecnologia é a maior capacidade do sistema de telefonia, especialmente em eventos esportivos e culturais que concentrem grande número de pessoas.

De acordo com Tarcisio Maciel, o artigo aprovado pelo METIS 2020 detalha resultados da cooperação entre a UFC e a multinacional sueca Ericsson nos últimos dois anos. José Mairton Jr. estagiou durante seis meses no centro de pesquisas da empresa, a Ericsson Research, em Estocolmo, na Suécia.

No Gtel, laboratório da UFC, foram feitas simulações computacionais com um algoritmo desenvolvido pelos pesquisadores para interação direta entre celulares e outros dispositivos, estudos que terão continuidade nos próximos anos.

Segundo o Prof. Tarcisio Maciel, comunicações D2D podem interessar às empresas de Telecomunicações, já que as próximas gerações de dispositivos móveis deverão incorporar esse recurso. "Espera-se que uma parcela considerável dos dados das redes 5G seja oriunda de comunicações diretas entre dispositivos próximos", explica.

Além do uso em eventos, o professor afirma que as possibilidades de aplicação da troca de dados entre dispositivos são vastas: equipamentos de monitoramento e controle de tráfego, sensores biomédicos, sistemas de medição elétrica e de automação industrial, entre outros, onde haveria troca de dados entre dispositivos com pouca ou nenhuma intervenção humana. "São exemplos de comunicação direta entre dispositivos que podem ter considerável impacto no setor de Telecomunicações nos próximos 10 anos", analisa.

Ultima Hora