Para civis, 2014 foi ‘catastrófico’

By | 26/02/2015

Londres. O ano de 2014 foi "catastrófico" para as vítimas civis dos conflitos, relata a organização Anistia Internacional em seu relatório anual divulgado ontem, classificando como "escandalosa e inoperante" a resposta da comunidade internacional a essa violência.

Segundo a ONG, 2014 foi "excepcionalmente" carregado de conflitos, em meio a tragédias e sangrentos confrontos na Síria, Ucrânia, Gaza, Nigéria, entre outros territórios, com "milhões de civis mortos" e "15 milhões" de pessoas deslocadas.

"Este é, provavelmente, o maior número de refugiados desde a Segunda Guerra Mundial", denunciou o secretário-geral da Anistia, Salil Shetty, em entrevista coletiva em Londres.

"2014 foi catastrófico para pessoas presas na violência", alertou Salil Shetty.

O relatório da organização analisa o estado dos direitos humanos em 160 países e aponta violações em 35 deles por parte de grupos armados como os jihadistas do Estado Islâmico e do Boko Haram.

"Isso pode e deve mudar", insistiu Shetty, que considerou "escandalosa e inoperante" a resposta da comunidade internacional às violações das liberdades fundamentais. "Infelizmente, os líderes mundiais fracassaram na hora de proteger os mais desamparados", acusa a organização.

A Anistia é particularmente severa com as Nações Unidas. "O Conselho de Segurança das Nações Unidas, um organismo que foi criado para proteger os civis e garantir a paz e a segurança, infelizmente, fracassou", denunciou Shetty.

Para a ONG, as perspectivas para 2015 são ruins, com o agravamento da crise humanitária dos refugiados.

Internacional