Otan mata líder do EI no Afeganistão

By | 10/02/2015

Lashkar. Gah Um dos comandantes da facção terrorista Estado Islâmico (EI) no Afeganistão, Abdul Rauf, morreu ontem em um ataque de drones da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no sudoeste do país, segundo o vice-governador da província de Helmand.

Abdul Rauf esteve preso por seis anos em Guantánamo e era o segundo líder da cadeia de comando do EI na região. Ele estava em um veículo com outros insurgentes no distrito de Kajaki, em Helmand.

Outros três guerrilheiros milicianos e o genro de Rauf também morreram no ataque, que ocorreu por volta de 13h20 locais (5h50 em Fortaleza). Segundo o governo afegão, Rauf estaria recrutando insurgentes para o EI nas últimas semanas em "zonas inseguras", como as autoridades se referem às regiões do país onde não há o controle do Estado. Em janeiro, Rauf foi nomeado como vice-líder do EI para Khorasan, que inclui Afeganistão, Paquistão e Tadjiquistão.

Ofensiva no Iraque

Com o apoio da coalizão internacional, as forças iraquianas preparam uma grande ofensiva terrestre para expulsar o grupo Estado Islâmico das regiões que ocupa ao norte e a oeste de Bagdá, onde dois atentados suicidas deixaram 40 mortos em três dias.

Embora a capital iraquiana esteja a salvo de ataques de grande porte do grupo jihadista, continua sendo atingida por atentados suicidas como o que matou ontem 14 pessoas.

Ligações de franceses

Ao menos 80 franceses ou residentes no país morreram na Síria ou no Iraque enquanto lutavam ao lado de jihadistas, disse ontem o primeiro-ministro da França, Manuel Valls, em entrevista à rádio Europe 1.

Segundo Valls, cerca de 1.400 franceses ou residentes na França possuem ou possuíam relações com facções extremistas. Deste número, 750 estão ou estiveram no Iraque ou na Síria.

Internacional