Nasa descobre planeta “primo mais velho e maior” da Terra

By | 24/07/2015

Cabo Canaveral, Flórida. A missão Kepler, da Agência Espacial Norte-americana (Nasa), confirmou ontem a descoberta de um planeta de dimensão próxima à da Terra e que orbita uma estrela parecida com o Sol.

Apesar de planetas de tamanho similar já terem sido encontrados antes, o Kepler-452b está localizado em uma "zona habitável", definição dada a áreas do espaço em volta de estrelas que têm temperatura parecida com a terrestre e que apresentam condições para a existência de água líquida na superfície de corpos celestes, o que é considerado necessário para que haja vida.

"Podemos pensar no Kepler-452b como um primo mais velho e maior da Terra, que traz a oportunidade de entendermos a evolução do ambiente terrestre", declarou ao site da Nasa o pesquisador Jon Jenkins, líder da equipe que analisa os dados da sonda Kepler, telescópio espacial usado para exploração de planetas extrassolares.

O diâmetro do Kepler-452b é 60% maior que o da Terra. Ele está localizado a 1.400 anos luz de distância, na constelação de Cygnus. A massa e a composição do planeta ainda não foram determinadas, mas as pesquisas apontam que o Kepler-452b é rochoso. A órbita dele em volta da estrela chamada Kepler-452, o sol do novo planeta descoberto, dura 385 dias.

"É um grande progresso encontrar um planeta como a Terra que é similar em tamanho e temperatura ao redor de uma estrela como o sol", disse Jeff Coughlin, cientista e pesquisador do Kepler no Instituto Seti, em Mountain View, Califórnia.

Já a estrela em torno da qual o Kepler-452b orbita tem 6 bilhões de anos, 1,5 bilhão a mais do que o Sol. Ela é 20% mais brilhante que o Sol, mas tem a mesma temperatura.

Exoplanetas

Em comunicado divulgado pela Nasa, Jenkins disse que a descoberta fornece uma oportunidade de entender e refletir sobre o ambiente em evolução da Terra.

"É muito inspirador considerar que este planeta passou 6 bilhões de anos na zona habitável de sua estrela, período mais longo que o planeta Terra. É uma oportunidade substancial para o surgimento da vida, com todos os ingredientes e condições necessárias para que a vida exista neste planeta", avaliou.

Além do Kepler-452b, os cientistas apontaram 11 outros candidatos a gêmeos da Terra. São exoplanetas com diâmetro entre uma ou duas vezes maior que o terrestre e que orbitam estrelas semelhantes ao Sol em tamanho e temperatura.

O administrador do Diretório de Missões Científicas da Nasa, John Grunsfeld, lembrou que a descoberta do planeta primo da Terra ocorreu no vigésimo aniversário da descoberta que provou a existência de estrelas que, como o Sol, também abrigavam planetas. "Esse resultado excitante significa um passo a mais na descoberta de uma Terra 2.0", considerou.

A descoberta será publicada em uma próxima edição do The Astronomical Journal, publicação científica mensal da Universidade de Chicago em parceria com a Sociedade Astronômica Americana.

Além do Kepler-452b, foram descritos 11 candidatos à planeta que também estão em zona habitável. A busca de outros planetas similares à Terra é uma das maiores aventuras na pesquisa espacial, e embora já tenham sido detectadas centenas de planetas do tamanho do nosso e outros menores, eles circulam em órbitas próximas demais de suas estrelas para que haja água líquida em sua superfície.

Para confirmar a descoberta e determinar melhor as propriedades do sistema Kepler-452, a equipe realizou observações em solo no Observatório McDonald, na Universidade do Texas, no Observatório Fred Lawrence Whipple, no Arizona, e no Observatório Keck, no Havaí. Nos últimos seis anos, a missão descobriu 4.661 candidatos a exoplanetas. Novas análises confirmarão se eles são de fato planetas.

Há cerca de uma semana a Nasa divulgou dados descobertos pela New Horizons, que explora Plutão. Foi descoberto que, no centro da mancha em forma de coração que existe em Plutão, há vasta planície congelada sem crateras. Provavelmente a área foi originada há menos de 100 milhões de anos e com processos geológicos de formação ainda em curso.

Internacional