MPF conclui que não houve beneficiados com vazamento de tema de redação

By | 12/02/2015

O Ministério Público Federal no Ceará (MPF-CE) concluiu, com base em investigação instaurada, que não houve beneficiados com o vazamento do tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014. Com a conclusão, procedimento que apurava o caso foi arquivado pela procuradora da República Nilce Cunha Rodrigues, nesta quarta-feira (11).

Segundo a procuradora, considerando tudo o que foi apurado nos autos, incluindo relatório pericial da Polícia Federal, conclui-se que as irregularidades verificadas no manuseio das provas de redação "não se revelaram de potencial capaz de malferir o princípio da isonomia, assim como não foi possível identificar o responsável pelo vazamento e tampouco a ocorrência de qualquer benefício para quem quer que seja".

O MPF também concluiu que não foi possível comprovar que o vazamento resultou de um esquema pré-organizado com o objetivo de beneficiar candidatos. "O que ocorreu foi, a bem da verdade, uma notícia de forma bastante restrita e desorganizada, sem potencial para malferir o princípio da isonomia entre os concorrentes", aponta a procuradora.

Investigações

O documento também detalha que os estudantes participantes do Enem 2014, ouvidos na investigação, não teriam como ser beneficiados. De acordo com o MPF-CE, porque um dos estudantes tomou conhecimento do tema um pouco antes do início da prova, não lhe conferindo credibilidade, achando que se tratava de mais um ´trote´ dentre tantos que circulavam nas redes sociais. A duas, porque o outro estudante somente teve acesso à informação após concluir a prova e já fora do local do exame.

Na conclusão do arquivamento, a procuradora Nilce Cunha defende, ainda, que considerando que o Enem 2014 contou com cerca de 9 milhões de inscritos, "somente fatos deveras graves o suficiente para comprometer a legalidade e lisura do exame poderiam autorizar medidas tendentes à anulação das provas, e, desde que comprovado haver um número significativo de concorrentes se beneficiado da fraude".

Ultima Hora