Merkel: “Alemanha está disposta a um ponto de convergência com Atenas”

By | 13/02/2015
Angela Merkel (Foto: Agência EFE)

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou nesta quinta-feira (12/02) que seu governo está disposto a chegar a um compromisso com a Grécia nas negociações sobre o futuro da ajuda ao país, mas ressaltou que a credibilidade da Europa também depende do cumprimento das regras e da confiança entre os sócios europeus.

Ao chegar na cúpula informal de chefes de Estado e de governo da União Europeia (UE), que está sendo realizada em Bruxelas (Bélgica), Merkel admitiu que a situação da Grécia será discutida hoje.

A política alemã disse que se "alegra" de poder saudar o novo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, que participa pela primeira vez de um Conselho Europeu e que ainda não se encontrou com ela.

"Só queria dizer que a Europa sempre está focada no compromisso, e esse também é o êxito da Europa. Os compromissos se forjam quando as vantagens superam as desvantagens e a Alemanha está disposta a um ponto de convergência com Atenas", disse Merkel.

No entanto, a chanceler afirmou que a "credibilidade da Europa também se baseia em cumprirmos as regras e na confiança mútua" com relação ao cumprimento dos compromissos.

Ministro de Finanças da Grécia descarta taxativamente saída do euro

Os ministros de Economia e Finanças dos dezenove países que integram a zona do euro, reunidos em um Eurogrupo extraordinário, terminaram nesta madrugada a reunião sem conseguir avançar nas negociações sobre o futuro da ajuda para a Grécia e nem sequer foram capazes de pactuar um comunicado conjunto.

O porta-voz do Executivo grego, Gavriil Sakelaridis, reconheceu hoje em Atenas que na reunião não houve um comunicado porque seu governo rejeitou apoiar uma frase que falava de "uma extensão do memorando", em alusão ao programa de resgate.

Atenas rejeita uma nova prorrogação da parte europeia do segundo resgate, que expira em 28 de fevereiro, e deseja negociar um acordo financeiro tampão até o final de agosto, para dar tempo para as partes pactuarem um novo programa ou contrato.

A Grécia igualmente rejeita a configuração da troika credora, formada pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), e pretende renegociar sua dívida.

"Veremos as propostas do governo grego. Isso será um tema a abordar pelos ministros de Finanças e, até então, resta algum tempo", comentou Merkel em referência à reunião ministerial do Eurogrupo na próxima segunda-feira.

 

Revista Época Negócios