Lufthansa e Air France evitam península do Sinai após queda de avião russo

By | 31/10/2015

Atualizada 

Duas das maiores empresas aéreas da Europa decidiram não voar sobre a península do Sinai enquanto esperam esclarecimentos sobre o que provocou a queda de um avião comercial russo com 224 passageiros na área neste sábado.

A alemã Lufthansa e a Air France-KLM preferiram evitar a região por motivos de segurança, disseram as porta-vozes das duas companhias. “Tomamos a decisão de evitar a área porque a situação e as razões da queda não estão claras”, afirmou a representante da Lufthansa. "Continuaremos a evitar a área até ficar claro o que causou a queda."

A Lufthansa tem menos de 10 voos diários que cruzam a região, declarou. “A Air France confirma que adotou, por precaução, medidas para evitar voos sobre a zona do Sinai”, informou a porta-voz da empresa.

Não há atividades irregulares" por trás de acidente, diz  premiê egípcio

O primeiro-ministro do Egito, Sherif Ismail, afirmou neste sábado que é impossível determinar a causa do acidente com um avião russo até que a caixa preta seja examinada, mas que acredita-se não haver atividades "irregulares" por trás.

Ismail afirmou em entrevista à imprensa que encontrar sobreviventes agora é praticamente impossível e que uma equipe russa chegará ao Egito ainda neste sábado.

O Egito também está se preparando para receber as famílias das vítimas e 129 corpos foram recuperados até agora.

Internacional