Lojistas buscam a China para ampliar horizontes

By | 20/02/2015

Diante de um momento de incertezas na economia brasileira, buscar diferentes oportunidades para se sobressair no próprio negócio tem sido uma das alternativas para alguns empreendedores. Em meio a este cenário, um grupo de empresários cearenses pretende buscar na China soluções para impulsionar a competitividade e ampliar horizontes no mercado local.

O destino escolhido tem como objetivo aproveitar as oportunidades oferecidas na Canton Fair, maior feira comercial da China e uma das maiores do mundo. O evento conta com três pavilhões, uma área total de mais de um milhão de metros quadrados e 25 mil estandes de expositores.

Para o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado do Ceará (FCDL-CE), Francisco Freitas Cordeiro, um dos intuitos da missão "tem o propósito de desmistificar para o pequeno e médio empresário a ideia de que importar é difícil".

Preços baixos

Entre as vantagens tanto para o empresariado, quanto para o consumidor final está o preço convidativo. "O lojista vai ter possibilidade de fazer compras coletivas. Ele vai poder somar suas compras com as de outros companheiros para chegar ao baixo preço e o pedido é faturado individualmente. Se ele for embora e quiser repetir o pedido ou pedir depois, uma empresa de consultoria continua dando assistência a ele.

Na feira, o pequeno empresário vai poder ter regalia que grandes empresas têm. Temos o acompanhamento de uma pessoa da área de despache aduaneiro. Ela acompanha o grupo, tira todas as dúvidas e prepara a empresa", explica Cordeiro.

Para isso, a viagem contará com assessoria do Grupo Baumann, agência de consultorias em internacionalização. O suporte logístico será feito pela LGA – Negócios Internacionais – para os serviços aduaneiros e desembaraço de mercadorias, e CTI Cargo, para agenciamento da logística e transporte marítimo. Essa não é a primeira "Missão China" realizada. No ano passado, 73 empresários participaram da edição de estreia.

Neste ano, aproximadamente 50 empresários atuantes nos ramos de supermercado, confecção, material de construção, farmacêutico, calçados, joias, bijouterias, softwares, maquinário e outros, já confirmaram presença. A meta é levar 60 pessoas.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Fortaleza, Severino Neto, esta é uma oportunidade para os lojistas cearenses quebrarem alguns paradigmas. "De uma hora para outra achavam que o Ceará não prestava mais, só porque o mercado nacional está ruim. No entanto, nós passamos o ano inteiro melhor que o Brasil. Até então nossa venda está relativamente boa. É óbvio que o comerciante sempre quer mais, contudo nossa crise ainda não é regional e sim nacional. Já vivemos momentos piores que esse, onde o Ceará não vinha crescendo. Atualmente, o Estado está prosperando", argumenta.

Conforme ele, essa é uma oportunidade dos lojistas locais de enxergar novos mercados e culturas para tomar de exemplo. "Precisamos ter uma linguagem mais agressiva, como a do mercado chinês. A China é uma lição para todos nós", completa.

Produtos

Sobre o contraponto com a indústria local, Freitas Cordeiro enfatiza que os lojistas não estão tentando criar um novo cenário e sim querendo sobreviver ao atual. "Nossa indústria está sofrendo. Mas se você olhar o que vamos trazer de lá, verá que não temos similares fabricados aqui. O nosso mercado já está inundado de produtos chineses. Isso é uma realidade", justifica.

Negócios com Hong Kong na mira também da indústria

O comércio bilateral entre a China e o Brasil, notadamente com o Ceará, tem se expandido a cada ano, abrindo uma janela de oportunidades para vários setores. Assim, o Invest Hong Kong e o Hong Kong Trade Development Council realizam, no próximo dia 26, na sede da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), o Seminário Brasil X Hong Kong.

Na ocasião, serão apresentadas oportunidades de negócios aos investidores cearenses que procuram abrir novos mercados em outros países, como na China. Nas palestras, serão apresentadas as oportunidades para se investir no mercado chinês e as principais soluções e serviço de apoio ao investidor, tanto público quanto privado.

A China já é o maior parceiro comercial do Brasil e a escolha do Ceará para sediar o evento aconteceu devido ao seu crescimento no Nordeste e também pelo fato de o Estado ser uma das principais alavancas da região.

Palestras

O evento, que tem o apoio do Centro Internacional de Negócios (CIN/CE), contará com palestra do executivo de contas do Invest Hong Kong, Luiz Felipe Pessoa; do executivo do Hong Kong Trade Development Council (HKTDC), Dominique Bais; e da diretora das duas agências no Brasil (Invest Hong Kong e HKTDC), Marina Barros. A entrada é gratuita, mas as vagas são limitadas para os interessados em assistir ao seminário na sede da Fiec em Fortaleza.

O Hong Kong Trade Development Council é uma parceria público-privada que auxilia empresas do mundo todo a entrar em contato com fornecedores de Hong Kong, com mais de 40 escritórios em diversos países. Divulgam feiras que ocorrem o ano todo e abrangem setores como moda, joalheria, acessórios de informática, entre outros. O HKTDC também organiza diversas missões para empresas interessadas em participar das feiras e organiza reuniões com alguns fornecedores escolhidos.

Já o Invest Hong Kong é uma agência pública cujo objetivo é auxiliar empresas a se expandirem para a Ásia utilizando Hong Kong como base.

Mais informações:

Seminário Brasil X Hong Kong
Data: 26 de fevereiro
Horário: Das 10h às 12h30min
Local: Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec)
Informações: (85) 3421.5420

Negócios