Juros do crédito sobem em maio e cheque especial já custa 232% ao ano, diz BC

By | 23/06/2015

A taxa média de juros no crédito livre subiu de 41,8% ao ano em abril para 42,5% ao ano em maio, segundo dados divulgados pelo Banco Central, nesta terça-feira (23). Com essa alta, a taxa volta a ser a maior taxa da série iniciada em março de 2011. Desde o início do ano, em todos os meses a taxa de juros é recorde e bate a do mês anterior. 

Nos primeiros cinco meses deste ano, a taxa subiu 5,2 pontos porcentuais, já que em dezembro de 2014 estava em 37,3% ao ano. Em 12 meses, a alta é de 5,9 pontos porcentuais.

Para pessoa física, a taxa de juros no crédito livre passou de 56,1% em abril para 57,3% em maio, também a maior da série histórica. Para pessoa jurídica, houve alta de 26,6% para 26,9% de abril para maio.

Entre as principais linhas de crédito livre para pessoa física, o destaque vai para o cheque especial, cuja taxa subiu de 226% ao ano em abril para 232% ao ano no mês passado. Também é um recorde. Ao longo de 2015, as taxas cobradas por uma das linhas mais caras que o consumidor pode acessar – perde apenas para o rotativo do cartão de crédito – subiram 31 pontos porcentuais, já que em dezembro de 2014 o juro médio dessa modalidade estava em 201% ao ano.

Já para o crédito pessoal, a taxa total caiu de 48,4% em abril para 48,2% em maio. No caso de consignado, a taxa passou de 26,9% para 27,2% de abril para maio e, nas demais linhas, de 113,3% para 111,5%.

No caso de aquisição de veículos para pessoas físicas, os juros passaram de 24,6% para 24,8% de um mês para outro. A taxa média de juros no crédito total, que também inclui as operações direcionadas, subiu de 26,5% em abril para 27,1% em maio. Spread

Já o spread bancário médio no crédito livre saiu de uma alta de 29 3 pontos porcentuais em abril para 29,8 pontos porcentuais em maio, segundo o BC. Trata-se do maior nível da série histórica iniciada em março de 2011.

O BC informou, também, que a taxa de captação dos bancos no crédito livre avançou de 12,5% ao ano em abril para 12,7% ao ano no último mês.

Negócios