Inflação não ia a 2 dígitos desde 2002

By | 30/12/2015

Brasília. Os consumidores enfrentaram em 2015 um forte aumento dos preços, principalmente os administrados pelo governo, como energia elétrica, gasolina, gás, transporte público e alimentos. Com esta alta, a inflação deve superar dois dígitos este ano, o que não acontecia desde 2002, quando ficou em 12,53%. A previsão do Banco Central é que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo chegue a 10,8%, em 2015.

Além do reajuste nos preços administrados e de alimentos, a inflação em 2015 foi impactada também pela inflação no setor de serviços, e pela alta do dólar.

O diretor da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac) Miguel de Oliveira lembrou que a inflação alta ocorre em ambiente de retração da economia e do emprego. "É um conjunto de fatores: inflação alta, juros altos, desemprego e inadimplência crescendo. Então é um quadro extremamente desfavorável ao consumidor", destacou. Para 2016, a expectativa é de inflação menor. Para o diretor da Anefac, a inflação em 2016 deve ficar em 6,9%.

"Pode ser pior porque temos uma retração que segura o aumento de preços, mas temos a questão do câmbio", disse. Oliveira destacou que se o dólar continuar a subir muito no próximo ano, sobem os preços de produtos importados e dos fabricados no País, mas com insumos do exterior. Em 2015, o processo de ajuste de preços administrados, represado anteriormente pelo governo, foi mais intenso e mais longo do que esperado pelo Banco Central. Já o aumento dos preços de alimentos foi influenciado pela alta do dólar e por condições climáticas adversas.

Negócios