Guiné Equatorial nega a presença de ditador no desfile da Beija-flor

By | 19/02/2015

O governo da Guiné Equatorial, divulgou nota, negando que o presidente Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, 72, tenha vindo assistir ao desfile da escola de samba Beija-Flor, de Nilópolis, na segunda-feira (16), no sambódromo do Rio. Campeã do Carnaval em 2015, a Beija-flor homenageou o país africano no enredo deste ano.

"Obiang Nguema Mbasogo estava nestes dias cumprindo sua agenda com assuntos africanos e nacionais. Estava em Yaundé (Camarões) participando da Reunião Extraordinária de Segurança da Conferência de Chefes de Estado do Conselho de Paz e Segurança da África Central (CEEAC) para buscar soluções para enfrentar o perigo do grupo terrorista Boko Haram", informou a nota divulgada pelo governo da Guiné Equatorial e assinada pelo ministro Teobaldo Nchaso Matomba.

A conferência, relatada na nota, aconteceu no dia 16, data em que desfilou a Beija-Flor. Na foto oficial do evento aparece o presidente Mbasogo junto a outros chefes de estado. O documento relata que no camarote utilizado por Teodoro Obiang Mangue, 45, conhecido como Teodorín, filho do ditador, estava ao seu lado o ministro José Mba Obama e não o presidente Mbasogo.

A nota informa ainda que não partiu do país africano o patrocínio à Beija-flor e sim das empresas brasileiras que atuam na Guiné Equatorial.

A Polícia Federal não se pronunciou, até o momento, oficialmente, para confirmar ou não os integrantes da comitiva de Teodorín que estiveram no país e se o seu pai, o ditador Teodoro Mbasogo, há 35 anos no poder, estava entre eles.

Internacional