Grupo do MST apresenta demandas ao Governo

By | 24/02/2015

Representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST-CE) reuniram-se na tarde desta segunda-feira com representantes do Governo do Estado, após ocuparem, desde as 5h da manhã, o pátio e os jardins do Palácio da Abolição. Participaram do encontro com membros do movimento o secretário-chefe de gabinete, Élcio Batista e os titulares das Secretarias do Desenvolvimento Agrário, Dedé Teixeira, dos Recursos Hídricos, Francisco Teixeira Coelho, e da Educação, Maurício Holanda

Segundo Marcelo Matos, um dos representantes do MST-CE, a principal pauta do movimento diz respeito às dificuldades enfrentadas pela população que vive em áreas de reforma agrária por conta da seca prolongada no Estado. Conforme ele, muitos agricultores estão sem acesso à água e outros recursos básicos para manter as atividades de plantio e criação de animais que garantem o sustento familiar. 

"Nossa prioridade é água. Muitos assentamentos não têm acesso a carro-pipa e, quanto o têm, eles não disponibilizam água para o rebanho. O que nós solicitamos é que o Governo perfure poços nas áreas sem água. Isso resolveria parte do problema", afirma Matos. 

O representante do grupo destaca ainda os prejuízos enfrentados após a perda de benefícios do Governo Federal, como o Garantia Safra e o Bolsa Estiagem, voltados para os trabalhadores rurais do semiárido afetados pela seca. Diante do quadro de vulnerabilidade, o MST também cobra do Governo Estadual um maior suporte aos agricultores

"Queremos que, por meio de programas como o FECOP (Fundo Estadual de Combate à Pobreza) e o FEDAF (Fundo Estadual de Desenvolvimento da Agricultura Familiar), o Governo libere recursos para que as famílias possam estar trabalhando nos assentamentos e amenizando os efeitos da estiagem", pontua Marcelo Matos.

Resoluções

Ao fim da reunião, na noite desta segunda-feira, os representantes do Governo colocaram que as demandas do MST-CE serão atendidas no plano emergencial de convivência com a seca, que será apresentado pelo governador Camilo Santana à Assembleia Legislativa, quando estiver concluído. Segundo informações da coordenadoria de imprensa do Governo do Estado, o secretário Dedé Teixeira assegurou que a questão da ampliação de crédito do Fedaf já está sendo analisada pela Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado (Seplag). A Secretaria de Desenvolvimento Agrário está, ainda, em negociação com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), para regularizar terras localizadas em áreas de conflito

O Governo do Estado se comprometeu ainda em perfurar 110 poços profundos em 220 comunidades indicadas pelo MST em caráter emergencial, além de outros 190 poços ao longo do ano. As secretarias que participaram da reunião prometeram também realizar reuniões com os trabalhadores para tratar de questões específicas de cada área.

O secretário-chefe de Gabinete, Élcio Batista, colocou que o documento apresentado pelo MST será encaminhado ao governador, mas as reivindicações apresentadas já estão em negociação direta entre o gestor estadual e o Palácio do Planalto.

Ultima Hora