Extradição de Pizzolato é suspensa pelo Conselho de Estado da Itália

By | 24/06/2015

Nesta quarta-feira (24), a justiça italiana decidiu por suspender a extradição de Henrique Pizzolato, ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil, condenado a 12 anos e 7 meses de prisão por participação no processo do Mensalão. A decisão foi do Conselho de Estado da Itália, a última instância da justiça administrativa no país europeu.

Além disso, o Conselho solicitou mais documentos sobre o processo ao Ministério de Justiça italiano e deverá analisar as solicitações da defesa, que pedem para o cumprimento da pena em solo italiano. O executivo tem cidadania brasileira e italiana.

Com a suspensão válida até o dia 22 de setembro, Pizzolato deve continuar preso na Penitenciária de Modena. Pizzolato foi condenado em 2012 pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por crimes de corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro, mas fugiu para a Itália no ano seguinte.

Ainda no dia 12 de junho deste ano, a extradição de Pizzolato também foi suspensa. Isso porque a defesa questionava as condições do presídio onde ele ficaria caso fosse enviado de volta ao Brasil. Segundo a defesa, uma das alas do presídio da Papuda, onde ele ficaria, é um lugar vulnerável. Apesar disso, autoridades brasileiras garantem que o local preservaria os direitos do ex-diretor do Banco do Brasil.

Fuga

Pizzolato foi considerado foragido em 2014 e, logo depois, foi encontrado em Maranello, ao norte da Itália. A extradição foi pedida pelo governo brasileiro logo após a detenção.

Internacional