Ex-mulher rejeita cheque de R$ 2,5 bilhões após processo de divórcio

By | 07/01/2015
O magnata do petróleo Harold Hamm e sua esposa, Sue Ann Hamm  (Foto: Getty Images)

Em novembro, uma longa disputa parecia ter chegado ao fim. Trata-se do processo de divórcio entre o magnata do petróleo Harold Hamm e Sue Ann Arnall, casados por mais de 25 anos. Hamm foi condenado à pagar US$ 1 bilhão (cerca de R$ 2,5 bilhões) à sua ex-mulher. Tudo parecia bem e Hamm efeitivamente cumpriu sua promessa: pagou Sue e apenas descontou US$ 20 milhões que foram gastos no processo judicial. O problema é que ela simplesmente recusou um cheque entregue ontem em seu nome no valor de cerca de R$ 2,5 bilhões. A recusa foi confirmada pelo advogado de Hamm à agência de notícias Reuters. Ela teria achado o preço definido na Justiça baixo e não teria pego o cheque com receio de perder o recurso judicial que deu entrada, segundo disse o advogado de Hamm. 

A fortuna de Hamm está estimada atualmente em US$ 7,7 bilhões, segundo a Forbes. Sue afirma que muito disso foi construído e ganhado com a ajuda dela, que já comandou a petrolífera Continental. A empresa gerou boa parte da fortuna de Hamm. Nos últimos meses, o bilionário tem sofrido com a queda dos preços do petróleo e até afirmou que o US$ 1 bilhão que seria pago a ex-esposa era muito justo, em face da crise que a empresa atravessava. A crise afeta diretamente sua fortuna. Ele foi apontado pela Forbes como um dos bilionários que mais perderam dinheiro em 2014: foi perdido cerca de 32%, ou seja, US$ 4,3 bilhões.

Entenda o caso
A briga do magnata do petróleo com sua segunda esposa, Sue Ann Hamm, é de longa data – e, publicamente, vem desde 2013, quando ela o acusou de traí-la e os dois se separaram. A decisão da Justiça de novembro, que é passível de recurso e condenou ele a pagar US$ 1 bilhão, vem após um julgamento que durou 10 semanas. Muitos veículos de comunicação americanos descrevem o acordo de divórcio como o maior da história dos EUA.

Os dois se casaram em 1988 e têm duas filhas adultas. A disputa durante o divórcio foi intensa, porque eles não haviam assinado um acordo pré-nupcial que ordenasse a divisão da fortuna e dos bens.

Grande parte da fortuna de Hamm veio de sua participação na petrolífera Continental Resources, da qual é o atual CEO. Desde quando o casal se uniu, a Continental passou de uma empresa que valia menos de US$ 50 milhões, para uma cujo valor de mercado atual é de US$ 20 bilhões, uma das maiores empresas do estado americano de Oklahoma. Na Justiça, os advogados de Sue, que ocupou postos-chave na Continental, defendiam que ela mereceria metade de US$ 17 bilhões (R$ 43,5 bilhões) – o que calculavam ser a fortuna "compartilhada do casal", de acordo com o Daily Mail. Já os advogados de Hamm afirmaram no tribunal que o sucesso da empresa se devia a fatores de mercado, como aumento dos preços de petróleo, e decisões tomadas antes do casamento.

Revista Época Negócios