Estado recebe um dos maiores players do mundo

By | 10/01/2016

Para o setor eólico cearense, o ano de 2016 começa com uma boa notícia. No próximo dia 18, uma das principais fabricantes de turbinas eólicas do mundo, a dinamarquesa Vestas, inaugura sua primeira unidade no Brasil, no município de Aquiraz (a 31,2km de Fortaleza). Com um investimento de R$ 100 milhões, a empresa espera gerar 600 empregos no Estado.

> Eólica: Ceará precisa de bons ventos para retomar liderança

> Indústrias da cadeia produtiva geram cerca de 15 mil vagas

A Vestas já inicia sua operação com 376mW em contratos firmados no Brasil, para entrega de turbinas produzidas no Estado. Além disso, será construído em Aquiraz um Centro de Treinamento para o time de serviços da empresa de toda a América do Sul. Segundo o presidente da Vestas no Brasil, Rogério Zampronha, a escolha de Aquiraz se deu pelos "excelentes ventos".

"A proximidade de boa parte dos parques eólicos em potencial é uma grande vantagem", ele diz. A empresa conta que também pesou na decisão, a mão de obra local e a proximidade dos portos do Pecém, do Mucuripe e do Aeroporto de Fortaleza, facilitando a logística. "O governo do Ceará tem sido um importante parceiro no fomento do setor de energias renováveis", destacou.

Produção

A unidade de Aquiraz irá produzir os aerogeradores modelos V110-2.0mW e o V110-2.2mW. "Nossa turbina V110 está totalmente adequada para as condições de ventos brasileiros, e a certificação Finame II permitirá que os clientes da Vestas aproveitem o financiamento atraente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social)", destacou Rogério Zampronha. Em nota, a empresa informou que "o mercado de energia eólica no Brasil é bastante promissor e é uma das principais apostas da Vestas para os próximos anos".

Wobben planeja ampliação

Neste ano, a alemã Wobben Windpower, instalada no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), irá ampliar sua fábrica de pás para geradores. O investimento não é informado, mas segundo a gerente geral da unidade, Ludmilla Campos, como os novos equipamentos previstos nos últimos leilões serão maiores, a fábrica terá de se adequar.

"Certamente essa nova pá, para a máquina E103, será produzida aqui no Pecém. E, para produzi-la a gente vai ter que fazer a ampliação". Segundo informou a gerente geral da unidade, a produção da nova pá será destinada ao mercado nacional.

A unidade também produz os modelos E82 e E92, e das 400 pás previstas para serem fabricadas neste ano, 60% devem ser exportadas e 40% ofertadas no mercado interno.

Mas devido aos últimos leilões, a expectativa é destinar uma parcela maior ao mercado interno já em 2017, quando a Wobben espera ofertar 80% das pás aos parques brasileiros, e 20% para o exterior. Ludmilla Campos diz que o dólar alto neste ano e no ano passado acabou favorecendo as exportações.

Leilões

Para o coordenador do Núcleo de Energia da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Jurandir Picanço, o Ceará deve se sair melhor nos leilões de energia deste ano em relação aos dos anos anteriores. Na avaliação dele, a maior participação do governo e da Fiec aumentou a confiança junto às empresas.

Segundo informou a secretária de Desenvolvimento Econômico do Estado, Nicolle Barbosa, o governo está trabalhando junto com as empresas que já operam no Estado, para implantar o Programa de Produtividade e Competitividade (PPC), cujo propósito é atrair outros investidores.

Negócios