Emprego na indústria em 2014 recua pelo terceiro ano seguido, diz IBGE

By | 10/02/2015
Indústria (Foto: Thinkstock)

O emprego na indústria avançou 0,4% na passagem de novembro para dezembro de 2014, na série livre de influências sazonais, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado interrompeu uma sequência de oito taxas negativas consecutivas, mas foi insuficiente para reverter a tendência do ano. Com isso, o emprego industrial acumulou uma queda de 3,2% em 2014. Com o resultado de 2014 o emprego na indústria registrou seu terceiro ano seguido de queda. Em 2014, o pessoal ocupado assalariado recuou 3,2% em relação ao ano anterior. O resultado sucede quedas de 1,1% em 2013 e de 1,4% em 2012. Além disso, o desempenho do ano passado foi o pior desde 2009, quando o emprego diminuiu 5,0% no total da indústria brasileira.

+ Desemprego fica em 6,8% em 2014 

Na comparação do mês de dezembro com dezembro de 2013, o emprego industrial apontou uma queda de 4,0%. Trata-se do 39º resultado negativo consecutivo nesse tipo de comparação. Segundo o IBGE, foram registradas reduções no contingente de trabalhadores em todos os 14 locais pesquisados, com destaque para São Paulo (-4,7%), que teve o recuo mais intenso nesta comparação.

Já no ano de 2014, na comparação com 2013, a indústria paulista viu seu contingente de trabalhadores encolher 4,3%. O ritmo de demissões em São Paulo superou a média nacional no período. Ao todo, 13 dos 14 locais pesquisados pelo órgão registraram redução no pessoal ocupado em 2014, segundo o IBGE. Além de São Paulo, também tiveram reduções intensas Rio Grande do Sul (-4,2%), Paraná (-4,2%), Minas Gerais (-2,8%), Região Nordeste (-2,1%), Rio de Janeiro (-2,8%) e Região Norte e Centro-Oeste (-1,7%). A única influência positiva veio de Pernambuco, ainda que pequena: a alta foi de apenas 0,1%.

Setorialmente, a redução de pessoal ocupado atingiu 17 dos 18 ramos avaliados em dezembro ante igual mês de 2013, com destaque para as pressões negativas vindas de meios de transporte (-7,4%), produtos de metal (-9,0%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-8,4%), máquinas e equipamentos (-5,5%).

+ Indústria pagará o dobro pela energia em 2015, alerta Firjan

Horas Pagas 
O número de horas pagas pela indústria recuou 3,9% no acumulado de 2014 ante o ano anterior, informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se do terceiro ano de queda neste indicador e o pior resultado desde 2009, quando o número de horas recuou 5,3%, ainda na esteira da crise econômica mundial. A redução foi disseminada entre todos os 14 locais pesquisados, com destaque para o recuo de 5,1% observado em São Paulo. As perdas também foram intensas em Rio Grande do Sul (-5,3%), Paraná (-5,3%), Região Nordeste (-3,2%) e Minas Gerais (-3,6%).

Setorialmente, 16 dos 18 ramos pesquisados tiveram de cortar o número de horas no ano passado, com destaque para produtos de metal (-8,5%), máquinas e equipamentos (-7,0%), meios de transporte (-6,2%) e máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-8,7%). Os impactos positivos vieram de produtos químicos (0,9%) e de minerais não-metálicos (0,7%).

+ SP planeja restringir água de captação de indústrias

Folha de pagamento
O valor real da folha de pagamento dos trabalhadores da indústria diminuiu 1,1% em 2014 ante o ano anterior, informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da primeira queda neste indicador desde 2009, quando os efeitos da crise econômica mundial provocaram uma redução de 2,4%.

A queda no valor real da folha foi disseminada, atingindo 11 dos 14 locais pesquisados pelo órgão. O impacto negativo mais relevante sobre o total da indústria foi observado em São Paulo (-1,8%), mas também registraram recuos Rio Grande do Sul (-2,4%), Região Nordeste (-1,9%), Rio de Janeiro (-1,4%), Minas Gerais (-0,8%) e Paraná (-0,8%). Em sentido contrário, a principal contribuição positiva foi assinalada pela Região Norte e Centro-Oeste (2,0%), seguidas por Santa Catarina (0,9%) e Espírito Santo (1,6%).

Setorialmente, o valor da folha de pagamento real caiu no ano passado em 12 das 18 atividades pesquisadas, pressionado, principalmente, pelas quedas vindas de máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-6,6%), produtos de metal (-5,8%), meios de transporte (-2,0%), máquinas e equipamentos (-2,4%) e calçados e couro (-4,2%). Por outro lado, os setores de alimentos e bebidas (1,3%), minerais não-metálicos (3,3%) e produtos químicos (1,1%) impediram um resultado ainda pior no acumulado de 2014.

Dezembro
Apenas no mês de dezembro de 2014, o valor real da folha de pagamento da indústria avançou 1,9% na comparação com novembro, já descontados os efeitos sazonais. O resultado elimina parte do recuo de 2,4% observado no mês imediatamente anterior. Em relação a dezembro de 2013, porém, houve queda no valor real da folha. O recuo foi de 3,9%, o sétimo consecutivo neste tipo de confronto.

Revista Época Negócios