Egídio Serpa

By | 24/02/2015

Setor têxtil: alento x receio

Impactado nos últimos anos pelo câmbio desfavorável e espremido pela desleal concorrência asiática, o setor têxtil vive, agora, momento ambíguo. Enquanto começa a reagir por conta da depreciação do real, sofre cada vez mais com os elevados custos da energia. O setor, responsável por empregar milhares de trabalhadores no Ceará, amargou, em 2014, um dos piores momentos, com demissões e até encerramento de fábricas no Estado. Contudo, com o dólar valorizado, já há empresas com acréscimo de 15% nas encomendas neste início de ano, o que dá fôlego extra para as indústrias. Em contrapartida, ganham corpo as queixas sobre o custo da produção. A Abit diz que está 10% mais caro produzir confecções com a tarifa de energia atual.

Contrato válido

A Infraero voltou atrás em decisão que suspendia contrato com o consórcio Marquise/Normatel para obras no aeroporto de Confins, em Minas Gerais. A anulação da rescisão unilateral foi publicada no Diário Oficial.

Missão na China

A CDL Fortaleza marcará presença, entre 13 e 19 de abril, na Canton Fair, maior feira intersetorial do mundo, a ser realizada na China. A ideia da missão é pensar em estratégias comerciais e viabilizar possibilidades múltiplas de negócios.

Desafio na Pesca

O novo ministro da Pesca, Helder Barbalho, filho de Jader, tem como desafio garantir, integralmente, o orçamento de R$ 250 milhões previsto para a pasta. A execução desse montante ainda dependerá de aprovação.

Boom do albergue

O número de albergues no Brasil cresceu 32% no ano passado, informa o Ministério do Turismo. Foi a modalidade de hospedagem que apresentou a maior expansão. Os empresários do setor vem cada vez mais formalizando seus negócios.

Crédito imobiliário: R$ 1 bi

A Cooperativa da Construção do Civil do Ceará (Coopercon-CE) deu pontapé inicial no processo de captação de propostas com o objetivo de contratação do crédito imobiliário em 2015. O contato foi realizado com Banco do Brasil, Bradesco, Itaú, Santander e Caixa Econômica, os quais devem enviar suas propostas até 2 de março. A Coopercon garante que, nos próximos 12 meses, a movimentação nesta linha de financiamento será de R$ 1 bilhão. Segundo a cooperativa cearense, o montante servirá para as 102 empresas associadas. Desde 2013, a parceria com os bancos já rendeu R$ 1,8 bilhão, utilizado em 60 empreendimentos.

Recorde negativo

A ociosidade da indústria automobilística brasileira será recorde em 2015. Com capacidade para produzir 5,6 milhões de veículos no ano, as montadoras se contentarão em entregar 3 milhões de automóveis. Ou seja, vai operar praticamente com metade da capacidade máxima.

Bom

Chuvas bem-vindas

Aos poucos, as chuvas finalmente vão ajudando a melhorar os níveis nas represas. Ainda não é suficiente para mudar o atual panorama, mas reforçam as esperanças.

Ruim

Estacionamento

A cena é fácil de ser vista na Capital: motoristas estacionam nas ciclofaixas sem qualquer preocupação. Desrespeito e "jeitinho brasileiro" precisam sair de moda.

Livre Mercado

Muitos por aí querem ser jogador de futebol. Mas e técnico? Um curso online, ministrado por quem tem experiência em gestão no esporte mais popular do Brasil, tem como objetivo formar profissionais em questões técnicas e administrativas. Mão de obra especializada na área é muito escassa. Mais informações em ead.universidadedofutebol.com.br

Ainda falando do futebol como negócio: os 12 maiores clubes brasileiros terão de cortar mais de R$ 280 milhões em despesas no ano, a fim de cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte e ainda encerrar 2015 no verde 

A coluna foi redigida por Victor Ximenes.

Negócios