É seu inimigo? Então é inimigo do seu cachorro também, mostra estudo

By | 13/06/2015
cachorro bravo (Foto: Thinkstock)

Seu bichinho de estimação é mesmo tão leal quanto você imaginava. Pesquisadores japoneses descobriram que cachorros não gostam de pessoas que são más com os seus donos e se recusam a aceitar alimentos oferecidos por elas. O estudo, divulgado nesta sexta-feira (12/06), revela que cães têm a capacidade de cooperar socialmente — uma característica encontrada em um número pequeno de espécies, incluindo os seres humanos.

Segundo o jornal britânico The Guardian, o professor de cognição comparativa Kazuo Fujita, da Universidade de Kyoto, testou junto com a sua equipe três grupos de 18 cães, usando simulações em que seus donos precisavam abrir uma caixa. Em todos os grupos, o dono estava acompanhado de duas pessoas que seu bicho desconhecia. 

No primeiro grupo, o dono pedia ajuda de uma das pessoas, que ativamente se recusava a colaborar. No segundo grupo, o dono pediava ajuda e uma das pessoas ajudava. Em ambos os grupos, a terceira pessoa era neutra — nem se recusava a ajudar e nem ajudava. No terceiro grupo, as duas pessoas eram neutras.

Depois de assistir à cena, o cão recebia comida das duas pessoas desconhecidas.Os animais que viram o seu dono ser rejeitado eram mais propensos a escolher o alimento dado pelo observador neutro e ignorar a oferta da pessoa que havia se recusado a ajudar.

Cães cujos donos receberam ajuda ou não interagiram com outras pessoas não mostraram preferência acentuada na hora de escolher o petisco. "Pela primeira vez, descobrimos que cães fazem avaliações sociais e emocionais de pessoas, independentemente de seu interesse próprio", diz Fujita.

Se os cães agissem só por interesse próprio, não haveria diferenças entre os grupos. Um número quase igual de animais teria aceitado alimento de cada pessoa. "Esta capacidade é um dos fatores-chave na construção de uma sociedade altamente colaborativa. Esse estudo mostra que cães compartilham essa habilidade com os seres humanos." O traço está presente em crianças a partir de cerca de três anos.

Revista Época Negócios