Dono da Azul, David Neeleman, ganha disputa pela TAP

By | 11/06/2015
David Neeleman (Foto: GABRIEL RINALDI / ÉPOCA NEGÓCIOS)

A disputa pela TAP chegou ao fim. O dono da Azul, David Neeleman, venceu o processo de privatização da companhia aérea portuguesa. A informação foi confirmada a Época NEGÓCIOS pela assessoria de imprensa da Azul. 

“A Azul Linhas Aéreas Brasileiras parabeniza seu fundador e CEO, David Neeleman, por vencer o processo de privatização da TAP", afirmou em comunicado enviado nesta manhã (11/06). Segundo a nota, a Azul acredita que a aquisição da TAP, por Neeleman, será "uma oportunidade muito boa para o Brasil, uma vez que Portugal é a principal entrada dos brasileiros para a Europa e vice-versa, com aproximadamente 1,8 milhão de pessoas por mês que viajam por esta rota, sendo a maioria à lazer". "A TAP é líder nesse mercado e fundamental para atender a essa demanda", afirmou a Azul. 

Os grupos que disputavam a TAP eram liderados pelos controladores das companhias aéreas brasileiras Azul e Avianca – os empresários David Neeleman e Germán Efromovich, respectivamente. 

Agora, a concretização da venda ainda depende do aval das autoridades regulatórias de concorrência e aviação de Portugal.

Hoje, a TAP voa para 88 destinos em 38 países com uma frota de 77 aviões. A empresa atraiu investidores brasileiros porque é forte no país. A TAP opera 84 voos semanais para o Brasil – rotas transportaram cerca de 40% de seus passageiros em 2014. Com dívida estimada em 1 bilhão, a TAP conta com o processo de privatização para receber uma injeção de capital.

 

Privatização

Essa é a terceira vez que o governo português tenta privatizar a TAP. A primeira tentativa, em 2000, fracassou quando a Swiss Air, vencedora do leilão, desistiu do negócio. Em 2012, o governo português só conseguiu atrair um interessado pela empresa – Germán Efromovich, da Avianca – e recusou sua proposta. Desta vez, o governo colocou à venda uma fatia de 66% da empresa, sendo 61% para investidores privados e 5% para os trabalhadores da companhia.

Em maio, na primeira fase do processo de privatização que está em curso, o governo português recebeu propostas de três grupos interessados na empresa. Além de Neeleman e Efromovich, o empresário português Miguel Pais do Amaral entrou na disputa, mas sua proposta foi desclassificada e não seguiu para a segunda fase. Depois de receber o aval do governo português, Neeleman e Efromovich apresentaram no último dia 05/06 a versão mais detalhada de seus planos. O conteúdo não foi divulgado, mas, segundo a imprensa portuguesa, incluem planos de renovação da frota da TAP.
 

  •  
Resistência

A privatização da TAP enfrenta resistência de grupos da sociedade civil e dos trabalhadores. Em maio, quatro sindicatos ligados à aviação, entre eles o de pilotos, divulgaram carta contra a venda da empresa. Os sindicatos organizaram diversas greves nos últimos meses e chegaram a suspender o processo de venda por duas vezes, mas o governo português destravou o processo, alegando "interesse público".

 

 

Revista Época Negócios