Donald Trump decide concorrer à presidência dos EUA

By | 16/06/2015
Donald Trump (Foto: Getty Images)

O magnata americano Donald Trump anunciou nesta terça-feira (16/06) oficialmente que concorrerá as prévias do Partido Republicano à Casa Branca.

"Estou anunciado oficialmente que estou concorrendo para ser presidente dos Estados Unidos, para fazer nosso país maior de novo", afirmou Trump em discurso durante evento em Nova York.

Trump, de 69 anos, há cinco anos havia cogitado a possibilidade de buscar a candidatura presidencial do Partido Republicano para o pleito de 2012, mas posteriormente desistiu.

Hoje, no entanto, confirmou sua intenção de concorrer à Casa Branca em discurso de marcado tom nacionalista pronunciado na torre que leva seu nome, no centro de Manhattan.

Com seu anúncio, já são 12 os políticos que entraram na corrida pela candidatura presidencial republicana para a eleição de novembro de 2016.

Em seu discurso, Trump recorreu à veia nacionalista, criticou o avanço da China na economia mundial e também a presença de imigrantes mexicanos nos Estados Unidos.

"Nosso país precisa de um grande e verdadeiro líder", afirmou Trump. "Precisamos de alguém que faça este país grande de novo, e podemos fazê-lo", insistiu.

Trump propõe "grande muro" na fronteira sul e quer cobrar a conta do México

Trump fez duras críticas aos imigrantes mexicanos que chegam aos Estados Unidos e propôs levantar um "grande muro" na fronteira entre os dois países, que deveria ser pago pelo México.

Seu discurso, de 45 minutos, recuperou o sentimento nacionalista de um país que, segundo ele, se transformou no "lixeiro de todos os problemas dos outros".

"O México manda sua gente, mas não manda os melhores. Está enviando gente com um montão de problemas. Estão trazendo drogas, crime, estupradores. Assumo que há alguns que são bons", afirmou o magnata.

Afirmou que, se chega à Casa Branca, construirá um "grande, grande muro" na fronteira sul. "E farei com que o México pague", acrescentou. Trump assinalou que, como magnata imobiliário, ninguém levanta "muros melhores" do que os seus e que os constrói "muito baratos".

"O México não é nosso amigo", insistiu, e disse que suas impressões sobre os imigrantes se baseiam nos comentários que ouviu da polícia fronteiriça.

"Um país sem fronteiras simplesmente não é um país", insistiu.

Revista Época Negócios