Cearense investe mais nos EUA

By | 11/06/2015

O mercado imobiliário dos Estados Unidos aposta em um investidor específico na América do Sul: o cearense. Conforme empresários da área, o Ceará está à frente, por exemplo, do Rio de Janeiro, em termos de atuação na compra e venda de imóveis nos EUA.

A receptividade dos norte-americanos aumentou em relação aos brasileiros que buscam investir de milhares a milhões de dólares em imóveis. Por ser uma opção de segurança para quem não quer ver o dinheiro ficar parado, e aproveitando a crise econômica, os EUA surgem como uma oportunidade de ver o dinheiro valorizar a longo prazo.

O empresário Rodrigo Schiavo, proprietário da Premier Capital Realty, destacou que o mercado atual viabiliza uma projeção positiva para os investidores cearenses nos EUA. Segundo ele, o Ceará tem tido presença atuante nos negócios com os norte-americanos. "A participação do cearense no mercado americano tem sido bem ativa. Até mais que o Rio de Janeiro, por exemplo. Temos essa percepção. Nossa ideia de estar aqui é para tirar as dúvidas sobre como dolarizar o patrimônio e atuar de maneira mais ativa", afirmou.

Seminário

Com este pensamento, empresários que atuam no mercado imobiliário americano estão em Fortaleza para compartilhar conhecimentos em palestras para incentivar esta modalidade.

O evento, batizado de ‘I Seminário Investimentos na Flórida’, oferece diversas opções de imóveis residenciais e comerciais em Miami e Orlando, além de informações sobre o funcionamento do mercado americano.

O Seminário tem início hoje e vai até sábado (13), e é realizado pela empresa americana Premier Capital, especialista em gestão de propriedades nos EUA, em parceria com a consultoria americana Drummond.

Conforme Schiavo, a média de investimentos inicial do brasileiro está em torno de US$ 300 mil. Já um investidor comercial, costuma iniciar com US$ 1 milhão. "Os cearenses, como os brasileiros em geral, são cautelosos. Há dois tipos de investidores. Primeiro, os que querem somente investir, nem pensam em morar, pensam apenas em dolarizar. Já o outro quer dolarizar mas também tirar proveito do investimento. Quer ter uma casa, poder usar nas férias e alugar por temporada", relatou.

Segundo ele, não há também temor por conta da atual situação financeira mundial. Pelo contrário, o cenário seria positivo para quem deseja investir a longo prazo. "Os bons negócios se fazem na crise", afirma.

Negócios