Camargo incentiva funcionários a fazer delação premiada

By | 21/01/2016

Depois de acertar o pagamento de R$ 804 milhões em indenizações por seu envolvimento na Operação Lava Jato, a Camargo Corrêa está estimulando seus funcionários a confessar possíveis crimes como suborno de servidores públicos e de políticos, e acertos com concorrentes para fraudar licitações.

Nos próximos 30 dias, funcionários e ex-empregados que colaborarem na identificação dos fatos investigados na Lava Jato, como corrupção na Petrobras e em obras públicas, terão como benefício a garantia de que não serão processados pela empresa nem demitidos por justa causa.

A Camargo se compromete, também, a pagar advogados para que seus profissionais negociem acordos de colaboração com o Ministério Público Federal e com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

A empresa afirmou em nota que os relatos serão feitos "diretamente a consultores especializados e independentes", até o próximo dia 19.

O incentivo interno à "delação premiada" faz parte de um programa para aprimorar os controles internos da construtora e antecipar a possível descoberta de irregularidades antes que venham a ser apontadas por outras empresas, além de tentar melhorar a imagem da companhia.

Única das grandes empreiteiras a confessar a participação nos esquemas de cartel e propina da Petrobras e no setor elétrico, a Camargo fechou acordos de leniência com o Ministério Público e com o Cade no ano passado.

A construtora tenta seguir os passos da multinacional alemã Siemens, que anos atrás foi apanhada em vários países fazendo cartel e pagando propina em troca de contratos públicos. Descobertos, os alemães confessaram seus crimes, pagaram indenizações bilionárias e prometeram se regenerar.

Em entrevista à Folha de S.Paulo no final do ano passado, o presidente do conselho de administração e principal executivo do grupo Camargo Corrêa, Vitor Hallack, disse acreditar que as descobertas da Lava Jato deveriam inibir práticas como suborno, cartel e superfaturamento de contratos.

"Se, com tudo isso, nada mudar, estamos fora do mercado", afirmou o executivo.

Ultima Hora