Azul opta por Recife; CE segue na disputa por hub da TAM

By | 26/01/2016

A expectativa sobre a definição a respeito de qual capital sediará o hub da TAM no Nordeste – investimento estimado em R$ 4 bilhões disputado por Fortaleza, Natal (RN) e Recife (PE) – voltou à tona, ontem, com o anúncio de que a Azul Linhas Aéreas ampliará suas operações no Recife a partir de fevereiro. O Ceará tentava, desde meados do ano passado, se aproximar da companhia para atrair o investimento para o Aeroporto Internacional Pinto Martins.

> Fortaleza torna-se mais atraente, diz especialista

> Área é decretada de utilidade pública

> Turismo da Capital deve se beneficiar

Questionada pela reportagem, a Azul não revelou o investimento realizado e esclareceu que não está implementando um hub no terminal pernambucano, mas apenas ampliando sua atuação naquele estado. "Não foi criado um centro de conexões (hub) em Recife. Os hubs da Azul estão em Campinas e Belo Horizonte, onde há voos para mais de 50 e 40 cidades, respectivamente", informou a companhia aérea.

Segundo matéria veiculada no Diário de Pernambuco, a localização estratégica, o pacote tributário, em que o governo reduziu alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre querosene de aviação de 25% para 12%, e a demanda já existente foram fatores que pesaram na escolha de Recife para o projeto.

Avaliação

Em nota, o Grupo Latam – que inclui a chilena LAN e a brasileira TAM – assegurou que continuará avaliando todas as condições para a definição da capital que será a sede do hub no Nordeste, decisão que poderá ocorrer ainda no primeiro semestre deste ano.

Entre as propostas do governo do Estado para atrair o investimento para o Aeroporto de Fortaleza, estão a construção de um terminal exclusivo para a companhia aérea e incentivos fiscais. Procurada pelo Diário do Nordeste, a Casa Civil do Governo do Ceará disse que não iria se pronunciar sobre a ampliação dos voos da Azul em Pernambuco. Em relação ao hub da TAM, destacou que todas as providências necessárias para trazer o equipamento para o Estado estão sendo feitas. Já a Secretaria de Turismo do Ceará (Setur) disse que não iria comentar o assunto.

Parte do Programa de Investimento em Logística (PIL) para a aviação, o leilão do Aeroporto Internacional Pinto Martins deverá ocorrer ainda no primeiro trimestre de 2016, dentro do processo de concessão do terminal à iniciativa privada.

Em julho do ano passado, o presidente da Avianca Brasil, José Efromovich, anunciou que a companhia também cogitava implementar um hub no Nordeste nos próximos anos. Até hoje, entretanto, ainda não há definições sobre o plano e, por ora, a empresa informou não ter a intenção de fazer mudanças significativas na malha aérea.

d

Regionalização

Com a ampliação das operações da Azul em Pernambuco, a oferta de destinos da companhia a partir do Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre será dobrada, passando de 24 ligações por dia a 12 bases para 32 decolagens com destino a 24 cidades. A empresa será a única a conectar todas as capitais nordestinas, oferecendo voos para cidades do interior por meio do Recife.

Além das novas rotas a Juazeiro do Norte (CE), Brasília (DF), Belém (PA), Campina Grande (PB), João Pessoa (PB) e Petrolina (PE), a Azul passará a ter quatro voos diários para Fortaleza, aumento de demanda detectado pela empresa a partir de estudos. Também para Natal e Belo Horizonte (Confins) e dois para São Paulo (Guarulhos), a partir do dia 15 de março.

Início das operações

A primeira cidade a receber os novos voos do Recife será João Pessoa, no dia 22. Em 15 de março, passam a ter voos a partir da capital as cidades de Brasília, Belém, Juazeiro do Norte, Petrolina, Ilhéus, Goiânia e Curitiba. No dia 29, a Azul retomará as operações em Campina Grande. Em 2 de abril, entram os voos para Porto Seguro e São Paulo (Congonhas). Em 7 de maio, será a vez de Presidente Prudente.

Aos fins de semana, será criada uma malha dedicada à Azul Viagens, operadora de turismo da Azul, voltada a quem viaja a lazer para o Nordeste. Centros urbanos como São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Goiânia, Brasília, Curitiba e Porto Alegre, além de Presidente Prudente, serão ligados aos destinos turísticos do Nordeste via Recife. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), novos voos da Azul já foram autorizados.

Investimentos

Enquanto a decisão da TAM sobre o hub no Nordeste não sai, outros investimentos da empresa são realizados no Ceará. A partir do dia 29 de março, mais uma frequência do trecho Fortaleza-Miami será operada pela companhia. O voo será realizado duas vezes por semana, às terças e quartas-feiras, em aeronaves Boeing 767-300.

Além disso, a Base de Operações do Nordeste da TAM Aviação Executiva, localizada no Aeroporto de Aracati, já está pronta para operar. De acordo com a companhia aérea, o equipamento já está totalmente equipado, aguardando apenas as homologações dos órgãos competentes para ser liberado. Em nota, a Anac informou que a vistoria à Base foi concluída na última sexta-feira (22), não sendo ainda possível divulgar o resultado da inspeção ou a previsão para início das operações.

Opinião

Decisão é positiva para o Ceará

Não há duvidas sobre os benefícios que estas instalações das companhias aéreas trazem para economia do Estado com uma movimentação intensas, tanto de passageiros como de cargas no aeroporto. É criado todo um setor de serviços para atender a esta demanda, além da criação de empregos e da geração de impostos. Há ainda a visibilidade turística que o local ganha. É um ponto positivo para economia pernambucana. Por outro lado, é também positivo para o Ceará a escolha da Azul por Pernambuco. Aproxima o Ceará com a TAM. Acredito que Recife não comporta dois centros de conexão e a TAM está como uma estratégia de internacionalização de voos entre a América Latina e o Hemisfério Norte. Temos (equipe do Estado do Ceará) que alavancar o processo de concessão do Aeroporto Internacional Pinto Martins, que é algo fundamental para a TAM. É uma grande estratégia para o Estado o recebimento de um hub.

Alex Araújo
Economista

Negócios