Apostador que afirma ganhar R$ 15 mil por mês em “bolsa de futebol” lança livro

By | 31/08/2015
Juliano Fontes (Foto: Divulgação)

Na época em que a "zebrinha do Fantástico" anunciava o resultado dos jogos da semana, apostar na loteria esportiva era simples: você basicamente arriscava qual seria o placar do jogo. Hoje, esses palpites podem ser um tanto mais complexos. "No útimo Corinthians e Vasco [em 29/07], por exemplo, eu fiz entre 15 e 20 operações de compra e venda durante a partida", diz o mineiro Juliano Fontes, 28 anos, que se define como um trader (ou operador) esportivo. Desde 2010, Fontes ganha a vida com esse tipo de aposta, além de palestras que faz sobre o tema. Na quinta-feira (3), ele lança o livro "Invista em Futebol" (Editora Gente), em São Paulo, no qual ensina as técnicas básicas do ofício.

No exemplo acima, Fontes fez uma análise prévia dos times e notou que o Corinthians marca (e o Vasco leva) mais gols no segundo tempo das partidas. "Aos 20 minutos do primeiro tempo, com o jogo em zero a zero, comprei um investimento a favor do empate. Essa opção foi se valorizando conforme o placar ficava inalterado. Por isso, três minutos depois eu vendi aquele investimento com lucro", ele conta. "Quando o primeiro tempo terminou, ainda em zero a zero, comprei uma aposta de que o Vasco não ganharia o jogo", diz Fontes. Conforme a partida avançava, ele aumentava as apostas contra o time carioca. Após o juiz dar o apito final, os corinthianos comemoraram a vitória por três a zero. Fontes também celebrou. Teve lucro de US$ 215, ou cerca de 10% sobre o valor investido.

O principal site para se fazer apostas em modalidades esportivas, segundo Fontes, é o BetFair, uma empresa sediada na Inglaterra que tem ações negociadas em bolsa e registra mais de 7 milhões de operações por dia. Fontes começou a usar o portal em 2008. Dois anos depois, avaliou que já ganhava mais dinheiro com as apostas em futebol do que com o emprego público que mantinha no Instituto Federal de Educação. Ele, então, pediu exoneração e passou a viver de apostas e palestras, nas quais afirma ter formado mais de 2 mil apostadores esportivos.

Fontes diz seus ganhos mensais ficam entre R$ 15 mil e R$ 20 mil. "Perco dinheiro em alguns jogos, mas no total do mês acabo ganhando. Faz mais de um ano que não fecho um mês com prejuízo", ele afirma. O apostador afirma que declara os rendimentos como "ganhos de capital no exterior", seguindo orientação da Receita Federal.  

Ele acredita que a análise prévia dos times responde por 40% do sucesso das apostas. "É preciso conhecer as estatísticas de cada equipe, analisar os calendários das competições, saber qual elenco terá desfalques, esse tipo de coisa", conta Fontes. É isso que faz com que ele acerte a maior parte dos placares, ainda que eventuais "zebras" aconteçam. Além disso, Fontes acompanha as partidas e faz as operações "intra-jogo", como no exemplo do início do texto.

Fontes afirma que chega a ganhar US$ 1,5 mil em uma única partida. Mas dá um conselho a quem quer se aventurar no ramo: não confunda "apostador" e "torcedor". Sãopaulino, ele conta que perdeu mais de R$ 2 mil na final da Libertadores da América de 2006, quando o São Paulo foi derrotado pelo Internacional de Porto Alegre. "Eu era muito amador, apostei com o coração e não com a cabeça", lembra. "Hoje, digo para os alunos não apostarem em jogos do time para o qual torcem", ele diz.

O lançamento de "Invista em Futebol" acontece na quinta-feira (3), às 19h, na Livraria Cultura dos Jardins, em São Paulo.  

Revista Época Negócios