Apesar do dólar caro, gasto no exterior sobe em janeiro

By | 25/02/2015

Brasília. Mesmo com dólar em alta, os gastos dos brasileiros em viagens internacionais cresceram em janeiro deste ano, tanto na comparação com dezembro, quanto em relação a igual mês de 2014. Os gastos atingiram US$ 2,207 bilhões em janeiro de 2015, e registraram aumento em relação aos US$ 2,123 bilhões de dezembro e aos US$ 2,12 bilhões de janeiro de 2014. Em comparação aos dois períodos, houve alta de até 4%.

Em 2014, ano em que a moeda norte-americana teve sucessivas altas, o maior volume de gastos de brasileiros no exterior ocorreu em julho, quando houve desembolsos de US$ 2,414 bilhões, maior resultado mensal registrado pelo Banco Central. No acumulado de janeiro a dezembro de 2014, os gastos dos brasileiros com viagens internacionais somaram US$ 25,608 bilhões, cifra recorde na comparação com anos anteriores.

No ano anterior, haviam somado US$ 24,98 bilhões, contra US$ 22,2 bilhões em 2012. Em 2011, as despesas dos nossos turistas lá fora haviam totalizado US$ 21,2 bilhões.

Planejamento ajudou

O chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, avalia que o crescimento da renda e o planejamento antecipado das viagens favorecem o fenômeno.

"Tivemos, em 2014, crescimento da renda real, como o IBGE mostra. Particularmente no caso de viagens, é importante lembrar que boa parte dos pacotes são planejados com antecedência. O câmbio no final do ano chegou a R$ 2,64, mas em setembro estava a R$ 2,33", disse.

Em janeiro deste ano, a moeda norte-americana registrou uma alta de 1,15%, terminando o mês passado em R$ 2,68. Já neste mês, o dólar atingiu a marca dos R$ 2,90, maior cotação em mais de 10 anos.

Enquanto isso, com relação aos gastos de estrangeiros no Brasil, eles deixaram US$ 555 milhões no País em janeiro deste ano, 13,68% menos que os US$ 643 milhões registrados no mesmo mês do ano passado.

Mais tributos

Além do dólar mais alto, desde o fim de 2013, os brasileiros também estão pagando mais tributo sobre gastos feitos com cartões de crédito no exterior.

A alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) – incidente nos pagamentos em moeda estrangeira feitos com cartão de débito, saques em moeda estrangeira no exterior, compras de cheques de viagem e carregamento de cartões pré-pagos – foi elevada de 0,38% para 6,38% no fim daquele ano. Com isso, essas operações passaram a ter a mesma tributação dos cartões de crédito internacionais.

Negócios