Alimentação saudável estimula novo mercado

By | 03/01/2016

Da própria necessidade de ter uma alimentação saudável e fazer uma reeducação alimentar, Pablo Éric, 32, casado e morador dor do bairro Passaré, teve a ideia de criar a Fruittime para um novo nicho de mercado em Fortaleza: o do bem-estar, que inclui mais atividades físicas e refeições equilibradas e balanceadas. A empresa fornece, por sistema delivery, 23 opções de frutas da época, salada de frutas e sucos detox.

>O lado ‘B’ da crise: nova forma de começar 2016

>Cresce número de pequenos negócios

A vontade de empreender superou os fatores ruins advindos do cenário econômico do Brasil em 2015, e Pablo colocou em prática um ano de pesquisa sobre alimentação saudável. Segundo ele, a crise afetou mais a construção civil, setor no qual atuou por dois anos, antes de abrir a empresa.

"Fiquei preocupado porque, devido à crise, as pessoas estavam deixando de comer fora. E percebi que este nicho de alimentação saudável não tem tanta crise. Cheguei a consultar empresários de outros Estados para entender melhor o setor", diz.

Quando estava na empresa de construção civil, onde era sócio minoritário, Pablo já pensava em ter um negócio, cuja ideia estava em sua cabeça desde a época da faculdade. "Quando estava na construção civil, deu o estalo da Fruittime, em 2014. Procurei o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e concretizei o objetivo em 2015", relata.

Remuneração

Pablo gostava da atividade que exercia e cuidava mais da parte administrativa e financeira, gerenciado as obras. A remuneração variava, mas a média era R$ 3 mil por mês. "Ainda não consegui igualar a renda, mas acredito que, a partir deste mês de janeiro, dê uma melhorada", declara.

O empreendedor conta que, por falta de opções, costumava levar sempre as mesmas frutas para o trabalho na empresa de construção civil. Percebeu que, em Fortaleza, as pessoas estão buscando uma vida mais saudável. Então, começou a pesquisar sobre a nova tendência, com foco na alimentação a base de frutas. Segundo Pablo, no Brasil, a empresa mais antiga nesse ramo não tem sete anos.

Após procurar o Sebrae, Pablo fez buscas de informações e uma pesquisa quantitativa com 100 pessoas de diferentes lugares da cidade, das quais 99,9% responderam que pagariam por um serviço de entrega de fruta.

"Fui buscar fornecedores e fazer contas na ponta do lápis", informa. Em outubro do ano passado, começou a entregar os sucos detox e, em novembro, lançou o site da Fruittime. Ele optou por registrar a empresa como microempreendedor individual (MEI) e teve como investimento inicial R$ 10 mil.

Diferencial e desafios

Pablo montou uma cozinha industrial em sua casa para manipular os alimentos, seguindo as orientações da Vigilância Sanitária. O diferencial dos sucos detox é que são de fato naturais, sem água, conservantes ou açúcar. A prensagem é a frio, realizada por uma máquina específica, e não por liquidificador. Já as frutas in natura passam por um processo de higienização.

O que o empresário mais sentiu, no início do negócio, foi o fato de começar sozinho e ter de procurar fornecedores na Central de Abastecimento do Ceará (Ceasa). Uma amiga nutricionista o ajudou com o cardápio.

Desafio

O desafio atual é entrar em empresas grandes. Hoje, atende à Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) e ao Banco do Nordeste do Brasil (BNB). Começou timidamente e já triplicou os clientes nos locais que entrega as frutas.

Ele entrega os sucos em Fortaleza e Eusébio (região metropolitana). Já as frutas, apenas no Passaré, por enquanto. Pablo percebeu que as encomendas estão muito ativas pelo boca a boca. Oferece três tipos de planos mensais, fruta in natura, R$ 39; frutas picadas no potinho, R$ 59; e o combo dos dois, R$ 79. E Realiza de 30 a 40 atendimentos por clientes no mês.

Para 2016, já pensa em lançar novos sabores do detox e inovar com kits – solteiro, casal e família – para entregar em condomínios residenciais. Ele sentiu, ao abrir a empresa, que o trabalho é árduo. Destaca que, além de contar com a orientação sobre como iniciar um negócio, é essencial ter uma ideia definida.

"É preciso procurar pessoas competentes para dar suporte e orientação. Ou mesmo conversar com amigos e usá-los de cobaia", orienta, alertando sobre o cuidado ao ter uma ideia e colocá-la no papel antes da prática e ter mais de dois fornecedores por produtos. (CK)

OPINIÃO DO ESPECIALISTA

Espaço para vários segmentos

Apesar do ambiente de crise econômica, as oportunidades existem, principalmente, para o setor de serviços. No geral, a situação está mais complicada para a indústria e para o agronegócio. Mesmo com a retração no consumo, quem se planejou em 2015 e investiu no setor serviços, em Fortaleza, tem grande chance de ver o seu negócio dar certo.

Nossa cidade, por ser turística, tem espaço para vários segmentos, como bares, restaurantes, receptivos turísticos e agências de turismo, por exemplo. Não podemos esquecer também dos segmentos de beleza e estética, alimentação, que sempre são muito demandados pelo público. Sem dúvida, problemas estruturais que não foram resolvidos em 2015 vão continuar em 2016, mas o ambiente de crise também traz oportunidades.

Acredito que, neste ano, pelo próprio cenário econômico, haverá mais oportunidades para empreendedores que atuam em consultorias empresariais. Com foco na gestão de pessoas, organização financeira e planejamento. Outro ramo que deverá ser fortalecido é o de cursos e capacitação profissional, pois o mercado de trabalho está priorizando, cada vez mais, a mão de obra qualificada.

Manter o foco no mercado, sabendo das mudanças que estão ocorrendo no País, e valorizar ainda mais o público-alvo são fatores dos quais os empreendedores não podem abrir mão, pois são importantes para a sobrevivência dos negócios.

Alex Araújo, economista.

Negócios