Alemanha diz que 18 dos 31 agressores sexuais em Colônia são imigrantes

By | 08/01/2016

Dezoito requerentes de asilo estão entre 31 suspeitos que estão sendo procurados por agressões sexuais cometidas fora da estação central da cidade de Colônia, na Alemanha, na véspera de Ano Novo, informou o governo alemão nesta sexta-feira (08).

A informação é que 17 dos 31 suspeitos são de origem argelina ou marroquina, disse porta-voz do Ministério do Interior. Entre os suspeitos também estão dois alemães e um cidadão dos EUA. As pessoas são procuradas por roubo, agressão física e ofensas sexuais, de acordo com o porta-voz.

O reconhecimento de que os imigrantes recém-chegados podem estar entre os agressores do Ano Novo aumenta a pressão sobre a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que tem pressionado a Alemanha a adotar uma postura acolhedora aos refugiados. Cerca de 1,1 milhão de pessoas que procuram asilo foram para a Alemanha no ano passado.

Nos meios de comunicação alemães nos últimos dias, os críticos acusaram policiais e autoridades do governo de tentar encobrir o envolvimento dos imigrantes nas agressões porque poderia minar o apoio às políticas de Merkel.

Um porta-voz de Merkel rebateu as críticas nesta sexta-feira: "em primeiro lugar, trata-se de uma criminalidade, e não sobre os refugiados", disse o porta-voz de Merkel. "Reter e encobrir tais coisas não só irá nos machucar, mas também irá ferir o Estado de Direito e a maioria dos refugiados completamente inocentes que estão buscando proteção com a gente", argumentou.

Internacional