Africano compra passagem para Guiana e desembarca em Goiânia

By | 24/02/2015

Um problema de pronúncia pode ter sido a causa do fracasso na viagem dos sonhos de um professor de ciências biológicas de Gana, na África. Em vez de desembarcar na Guiana Francesa, país que fica na divisa com o Amapá, o professor africano Emmanuel Akomanyi, de 29 anos, veio parar em Goiânia, capital de Goiás. Agora, sem dinheiro para concluir a viagem, ele corre o risco de perder uma bolsa de estudos para fazer Medicina na Universidade de Georgetown.

O professor só descobriu que tinha voado para a cidade errada quando já estava em Goiânia, dentro do táxi. Ao indicar a universidade situada na capital da Guiana Francesa, Emmanuel foi informado pelo motorista, que lhe apontava em um mapa, que ele estava no centro do Brasil e não no norte da América Latina, muito longe de onde veio parar. A história chamou a atenção no Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia, com pessoas se mobilizando para ajudar o rapaz. O professor é órfão de pai e mãe, e cuidava sozinho de quatro irmãos mais novos em Gana. Ele havia economizado por cerca de dois anos para viabilizar a viagem.

Emmanuel acabou acolhido em Goiânia por conhecidos de uma jornalista que o conheceu ao fazer a reportagem sobre o caso. Segundo a jornalista Janine Rahe, a confusão ocorreu há cerca de dez dias, quando ele fazia uma conexão no Brasil. Foi quando o professor comprou na Visão Turismo, agência que funciona no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, uma passagem para a Guiana.

Procurada nesta segunda-feira (23/02) a agência solicitou ouvir o advogado da empresa, mas a ligação caiu na caixa de recados e ele não retornou. À Tv Anhanguera, a Visão Turismo havia sustentado que o engano partiu de Emmanuel. Também foi informado que a agência opera há oito anos no Aeroporto Internacional de Guarulhos e que todos os funcionários falam inglês. Em entrevista à emissora, o rapaz demonstrou dificuldades em pronunciar a palavra Goiânia, citando que não sabia de sua existência, apenas de Guiana.

"O coitado ganhou a bolsa de estudos, deixou os irmãos em Gana e veio, mas se ele não embarcar até sábado, pode perder a matrícula na universidade", alerta a jovem. Com a dona de casa Lourdes Ricardo, que hospedou Emmanuel provisoriamente, Janine está mobilizando pessoas para ajudar o rapaz. Ela está encaminhando o professor para vários meios de comunicação para divulgar o drama do africano e ainda disse que espera uma manifestação da Embaixada de Gana neste sentido.

Revista Época Negócios